Faz-se - Poesia de Arnaldo Antunes


Faz-se
o corpo em pé deita
o corpo deitado dorme
o corpo sem sol some
o corpo morto não sofre
o corpo com frio se cobre
o corpo um lugar preenche
o corpo prenhe tem leite
o leite do corpo é quente
o corpo de frente enxerga
o corpo Só se carrega
o corpo do sono acorda
o corpo ao sentar se dobra
o corpo com dor se mexe
aos poucos o corpo cresce
o corpo do corpo nasce
o corpo sem corpo faz-se
Arnaldo Antunes 
(Agora Aqui Ninguém Precisa de Si, 2015)



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário