Felipe Marinheiro - Poema


Olho a linha
que espia a retina do mar
espero, espero, espero
e de tanto esperar em vão
um dia tarde demaisdescobri que nas escrituras
dos rebentos das ondas
estava escrito
que à nascença tinha sido
condenado pois
alma alguma me irá amar

Felipe Marinheiro


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário