Edmilson Sanches - Persiana

Persiana
Passam os foliões, passa a vida...
Não os agarra por quê, meu filho?
Acalma-te, mamãe, que o mundo gira
e os homens constróem casas.

(O poeta, absorto, visualiza a estante,
buscando nela uma vaga
para o seu próprio livro.)

Sou preso residente
fé esporte sé nado
preso/e/dente
generalizado.

(Depois vieram.
Vou preso prum cubículo:

Salafrário!

E compuseram
o orgulho dum currículo
literário.)

Censurada a minha mente,
meu escrito.

Mas, conquanto rudemente,
tenho dito!

Edmilson Sanches



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário