Sebastiana do Seridó - Literatura de Cordel

Sebastiana do Seridó
A história de uma guerreira

Autor: Giano Guimarães

Agora eu vou contar
A história de uma guerreira
Que não teme nem o mar
Nem a noite traiçoeira
Tudo é capaz de enfrentar
Nesta vida passageira

Seu nome é sebastiana
Mulher muito companheira
Assim como Leide Diana
Uma rainha verdadeira
Amorosa e soberana
Gentil e hospitaleira

Em Serra Negra do Norte
Deu-se o seu nascimento
lugar de gente de sorte
Que tem pra si um monumento
Uma serra que parece um forte
Um lugar de encantamento

E lá, no sertão do seridó
Desde cedo viu a dificuldade
Viu a seca castigar sem dó
E o povo passar necessidade
Viu açude cheio virar pó
Viu a fome na mocidade

Perdeu a mãe logo cedo
E se viu em grande tristeza
Sentiu a dor e o medo
E também a incerteza
Pois agora tinha partido
A Sua grande fortaleza

Alguns anos mais tarde
Outro ente seu se vai
Agora quem também parte
É Anselmo seu pai
Grande homem e baluarte
Seus seis filhos, guardai

Sebastiana tinha um sonho
Que era as letras aprender
Achava bonito quem lia
Assim também queria ler
Pois a poesia que ouvia
Algum dia iria escrever

Aos nove anos foi para caicó
Começa então sua jornada
Neste mundo agora estava só
E nas mãos não tinha nada
Ainda sofreria como Jó
No decorrer dessa estrada

Com sorte e com alegria
Teve a chance de estudar
com a ajuda de sua madrinha
Começou então a soletrar
Muito feliz ela ria
Pois podia as letras juntar

A galeguinha de Anselmo
Assim a gostavam de chamar
Sebastiana muito bela
Tinha uma beleza sempar
Era uma linda donzela
Era uma flor de juá

Sebastiana foi para o convento
Para ao sacerdócio se dedicar
Percebendo não ter vocação
O convento resolveu deixar
Para mais tarde seguir
a vocação de ensinar

A vida lhe deu outro rumo
Bem longe dali iria parar
Noutro canto desta terra
Havia de seus pés fincar
muito longe de sua Serra
Nova vida foi buscar

Para chegar ao novo destino
Eram alguns dias de viagem
No caminho viu a força do divino
Na mudança da paisagem
O mato que antes era fino
Virou uma densa folhagem

Então chegou ao maranhão
Com muitos sonhos na bagagem
Muita pureza no coração
Alegria, força e Coragem
vazias estavam suas mãos
mas obstinação era sua mensagem

Na cidade de Imperatriz
Sebastiana começou a estudar
Tinha o sonho de ser médica
para os doentes ajudar
este sonho foi interrompido
quando resolveu se apaixonar

O destino como sempre faz
Colocou em seu caminho
Um jovem e vistoso rapaz
Bom de papo e seu vizinho
Que veio lá do Goiás
todo cheio de carinho

Sebastiana conheceu Duda
E junto com ele a paixão
Resolveram então fugir
De modo que houve confusão
Duda pensou em desistir
E por isso foi para prisão

Depois de esfriar a cabeça
E tomar um banho no rio
Duda recuperou sua certeza
E assumiu o seu desafio
De casar com a bela galega
E viver um tempo sadio

Logo tiveram que ir morar
Na Boa Vista do Padre João
Sebastiana sem contestar
E pela falta de condição
Na casa do sogro foi pousar
Pois de dureza era a situação

Logo tiveram um menino
O primogênito Adriano
Um ano depois la vem vindo
Outro menino, é Luciano
Sebastiana vivia parindo
Então parou por dois anos

Depois da pausa merecida
Agora pela terceira vez
Sebastiana engravida
Então nasce uma menina
E Fabiana é o nome
Desta linda pequenina

Sebastiana com três filhos
Resolve voltar a estudar
Seu marido constrói uma casa
Para com a família morar
Eles agora vivem melhor
Debaixo de seu próprio lar

Aos poucos a vida sofrida
Com luta vai se ajeitando
Sebastiana dona de casa
E duda fora trabalhando
\s crianças crescendo
E o tempo assim passando

Eles queriam mais uma filha
Então resolveram tentar
Em 1980 uma nova gravidez
Para a prole se encerrar
Mas só que dessa vez
um menino veio no lugar

Nasceu então o caçula
Este poeta que vos fala
Filho de um nortista
E de uma potiguar arretada
Em seu sangue corre poesia
E no peito uma alegria danada

A vida seguia para Thiana
Com quatro filhos para criar
Ela precisava de grana
Então começou a trabalhar
Começou a dupla jornada
Trabalhando fora e no lar

Sebastiana fez contabilidade
E o magistério começou a frequentar
Pois passou a ter vontade
De aulas então ministrar
Mulher de grande capacidade
Concurso resolver prestar

Em 1986 foi aprovada
Então se tornou professora
Profissão muito honrada
Era como ser uma doutora
Começaria então a nova jornada
Desta grande batalhadora

A partir deste ponto
A história fica mais triste
As lágrimas caem quando conto
O coração quase não resiste
Pois acabo me emocionando
Lembrando como tão cedo partiste

Em 1987 repentinamente
Duda de Sebastiana se vai
Muito jovem e subitamente
Morre aos 33 nosso pai
A vida mudaria radicalmente
Do peito a saudade não sai

Foi embora desta vida
Um bom pai, trabalhador
Que amava sua família
E a ela dava todo valor
A vida então prosseguiria
Sem nosso grande provedor

Sebastiana muito jovem
Da vida recebe um tapa
Perde cedo seu companheiro
Da tristeza ela não escapa
Sua vida mudará por inteiro
Agora começa uma nova etapa

Sebastiana guarda o luto
Seus filhos não podem esperar
Tudo isso é um susto
Mas a vida deve continuar
Será mais difícil ainda
Dessas crianças cuidar

Duda não deixou posses
Só uma casa para lhes abrigar
E Uma pequena pensão
Para quatro bocas alimentar
Sebastiana ficou sem chão
Pois não sabia se iria aguentar

Sebastiana se apegou a fé
A Jesus cristo e a Jeová
Também a alguns amigos
Para essa barra suportar
Pois agora muita dificuldade
Ela começava a passar

Tudo era pouco e racionado
Roupa, brinquedo e material escolar
O dinheiro era contado
Mas o alimento nunca deixou faltar
Essa guerreira dava um jeito
Para os quatro alimentar

Ajudou em restaurante
Para um extra receber
Vendia roupa e bijuteria
Até Jogo do bicho foi vender
Assim a peteca não caia
Nem a sua vontade de vencer

Sebastiana fazia o possível
Para as necessidades atender
Dos filhos que outrora
Melhor vida começavam a ter
As vezes até chorava
Mas o choro tinha que esconder

O tempo passava e a vida seguia
Essa jovem mulher precisava viver
Aos poucos deixava o luto
Para a vida aos poucos refazer
A despeito das más línguas
Ser feliz agora era o seu dever

Thiana deixou de ir só a missa
Na seresta resolveu aparecer
Colocou os pés na pista
E dançou até o dia amanhecer
Voltou a se divertir a galega
E feliz resolveu voltar a ser

Seu jardim começa a florescer
Brotando dentro de si alegria
O destino volta a lhe oferecer
A oportunidade que queria
De ser feliz e de novo ter
Um amor que bem lhe traria

E desta vez o destino faria
O inverso do que antes fez
Sebastiana então conheceria
Um Maranhense desta vez
Que arrebataria seu coração
Com uma grande rapidez

Neto era o nome dele
Motorista de profissão
E em sua caçamba amarela
Labutando o ganha pão
Estava sempre de sentinela
Planejando roubar seu coração

Começaram então a namorar
Sentiram que tinham afinidades
Viram então o amor repousar
E a companhia trazer felicidade
Resolveram então se juntar
E começar a vida noutra cidade

Sebastiana volta para Imperatriz
Algo que talvez não imaginava
Mas o amor foi a força motriz
Para o destino que a aguardava
Dando nova chance de ser feliz
A quem talvez não esperava

Ali começou uma nova caminhada
Tinha agora um novo desafio
Pois no Tocantins ela lecionava
Todo os dias atravessando o rio
E depois ao Maranhão voltava
Pois deste lado também trabalhava

Logo depois passou no vestibular
A labuta aumentou no dia a dia
Pois também tinha que estudar
Começa a faculdade de biologia
E não seria fácil conciliar
Como depois logo perceberia

As coisas foram melhorando devagar
E seus filhos se encaminhando
Cada um de um modo particular
Sebastiana ia se orgulhando
Depois de tanta peleja passar
A vida estava lhe recompensando

Em 2002, mais uma vitória
Em ciências biológicas se formou
Não se tornou uma médica
Mas sobre a vida muito estudou
Se sentiu muito realizada
E em sala a muitos ensinou

Cansados da rotina e correria
Depois de 15 anos em imperatriz
E pensando na aposentadoria
A Tocantinópolis decidiram retornar
Com a vida um pouco mais tranquila
Lá, os pés agora iriam plantar

E de volta a cidade dos filhos
Por dois anos muita tranquilidade
Neto já estava aposentado
Thiana esperando completar a idade
E de novo o destino aloprado
Reservaria a dor da fatalidade

Com sua saúde fragilizada
Neto tinha doente o coração
Sebastiana muito preocupada
Passou por muita aflição
Pois Neto já tinha marcada
Uma delicada operação

Neto não resistiu a cirurgia
Neste momento ficamos sem chão
Ninguém esperava que assim seria
Houve muita tristeza e comoção
Thiana mais uma vez sentiria
O desalento e a dor da solidão

O marido, pai e amigo se foi
Companheiro de vários anos
Muitas lembranças ficaram
E lá se foram muitos planos
Que foram interrompidos
Para dar lugar aos prantos

Thiana lentamente vai tentando
Esta grande perda superar
Recebe a força dos amigos
E também o apoio familiar
Todos ficaram muito sentidos
Com drama da forte potiguar

Um ano mais tarde Bastiana
Conseguiu enfim se aposentar
Depois de 25 anos de sala
Chegou a hora de descansar
Cumpriu seu papel com honra
Dedicação e de modo exemplar

Outras alegrias vieram
Depois do tempo turbulento
Filhos, seus filhos tiveram
Fazendo dos netos o alento
José, Enzo, Junior e Flor
São seu precioso unguento

Sebastiana resolveu viajar
Lá pra bandas do exterior
Desta vez foi visitar
Seu filho muito batalhador
Nos Estados Unidos foi passear
E esquecer um pouco a dor

Sebastiana descobriu a poesia
E sua capacidade de criar
Se entregou a arte dos versos
Para belos poemas nos dar
Nestes poemas estão imersos
Sentimentos e sua vida neste lugar

Mas o tempo e a distancia
De sua terra e seus entes
Lhe trouxeram muita carência
Saudade e tristeza latentes
Retornar a sua descendência
Era uma vontade insistente

Pois não esqueceu da rapadura
Que adoçou a sua infância
Numa época muito mais dura
Foi sua fonte de sustança
O tempo não levou sua candura
Muito menos sua esperança

Voltou várias vezes à sua terra
Para suas raízes reviver
Ver o xiquexique e o mandacaru
E a caatinga com prazer
Rever sua Serra Negra tão linda
Que com seu peito faz mexer

Essa é a história de Sebastiana
A biografia mais que resumida
Desta mulher de grande fama
Arretada da peste assumida
Que passou por muito drama
Mas no fim venceu na vida

Estas linhas foram poucas
Diante de tudo que podia falar
Bondade, amor e força
Sempre teve muito para doar
Alegria e alto astral
Estão com ela em todo lugar

Pessoa querida e especial
Tão humilde e solidária
Esta é uma pequena homenagem
A essa mulher sexagenária
Que hoje completa seis décadas
Mas que merece ser centenária.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário