Desengano - Constantino José Gomes de Souza

Desengano

Era tudo hypocrisia !
N’alma nem um sentimento
Do verbo que proferira
Proferindo o juramento…
Se um anjo os labios abriu
Para jurar, e mentir
Em nome da divindade ;
Se aquella vestal, tão pura,
Tornou-se, meu Deus, perjura,
Onde é que existe a verdade?

Foi n’uma noite de maio ;
E do céu a sentinella
Nocturna mandava um raio
Velar no aposento d’ella.
E eu, a sós co’os meus amores,
Entre os effluvios das flores,
Qu’embalsamam seu jardim,
Tinha o joelho no chão,
Nos labios o coração,
Batendo de amor sem fim.

Eu lhe dizia :—por Deus,
Mulher celeste, sê-minha,
Que nos rudes versos meus
Hei-de cantar-te rainha.
Será tão grande o meu canto,
Hei-de requintal-o tanto,
Tão alto farei que assome,
Que o universo assombrado,
De meu canto extasiado,
Ao cèo levará teu nome.

Constantino José Gomes de Souza


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário