A ideologia do Dinheiro

Não me importo com aquilo que as pessoas possam pensar de mim, por eu me vestir de modo simples, por não gostar de andar alinhado, produzido, cheio de penduricalhos, por não usar aquele smartphone de ultima geração, o top da moda, aquele da maçã. Essas futilidades, necessidades inúteis, invenções do mercado para nos prender a atenção, quando aquilo que talvez devesse mais importar em nossas vidas, seria conhecermos a nós mesmos e o mundo a nossa volta. Todo esse modo de desviver focado no valor das coisas, arruína cada dia mais a vida em sociedade.

O valor das coisas que antes nos eram mais caras, como a amizade firme, o companheirismo, as convicções, a gentileza e a solidariedade, está sendo transferido para coisas supérfluas demais para que possam durar. Não são duráveis para uma vida inteira aquelas coisas que tem como principal elemento constituidor o dinheiro. O dinheiro é bom, pode nos trazer muitas coisas, comodidade, conforto, prazer, satisfação, luxo, viagens, mas ele nunca vai te dar amores e amizades verdadeiras o suficiente para continuarem contigo quando um dia a pobreza te visitar ou a desgraça sobre ti vier.

O sucesso financeiro a muito tempo tem sido o objetivo de vida da maioria das pessoas, pois no mundo de hoje o dinheiro está profundamente associado a “felicidade”. Ser reconhecido pela situação econômica pomposa é mais considerável que ser reconhecido por seu caráter, por seu conhecimento, inteligência, sapiência, cultura. Bem sucedido nessa cultura é sempre aquele que tem muito dinheiro.

A bem sucedida faxineira, que também é uma excelente manicure e que ganha um salário mínimo e educa três filhos que pegam ônibus para ir a escola e faculdade, para essa sociedade, na verdade, é mal sucedida, pois ela é pobre e faxineira. Seu trabalho é marginalizado como são marginalizadas as atividades mais dignas e importantes da sociedade, que se um dia parassem, causariam transtornos incomparáveis. O bem sucedido gari, a empregada doméstica, o guarda, o porteiro, a cabeleireira, o frentista, o garçom, o balconista, o motorista, o professor e muitos outros, todos esses profissionais são desvalorizados e colocados no nível mais baixo da escala de importância nesta sociedade, que ainda não aprendeu a dar valor ao trabalhador, independente de qual seja a sua atividade.

O bem sucedido professor, por exemplo, não é respeitado por essa sociedade, e tem sido a nova caricatura do fracasso profissional que a mídia sem esforço algum proclama aos quatro ventos, contribuindo ainda mais para desmoralizar a imagem dos professores, ao invés de dar mais espaços para eles. É nessa cultura que mais e mais pessoas fogem da alternativa de se tornarem professores. Em outros países e culturas, ser professor é uma honra e ainda por cima te dá prestígio.

O dinheiro assumiu o lugar mais alto na ordem de prioridades da vida de muitas pessoas, antes de qualquer coisa, em primeiro lugar o mais importante é buscar tudo aquilo que te traga muito dinheiro. Não busque a profissão dos teus ideais, busque aquela que te dá dinheiro, assim muitos são aconselhados. "Busque o dinheiro em primeiro lugar e as outras coisas te serão acrescentadas", esse é o novo versículo de muitos cristãos por aí.

Não amemos o dinheiro mais do que a nós mesmos, nem mais que a vida humana. Não amemos o dinheiro mais do que honestidade, mais do que a bondade, mais do que a amizade, mais do que a sabedoria, mais do que o conhecimento, deixe o dinheiro para ser a última coisa a ser amada. O dinheiro está comprando, não somente as cosias que você deseja, ele está comprando pessoas (políticos) que deveriam estar fazendo um outro papel no centro do poder deste país. O dinheiro está comprando a fé de muitas pessoas que esqueceram ou não leram que Deus se opõem ao amor do dinheiro. O dinheiro está comprando as nossas mentes com a sedução pelo compulsivo consumo. Estamos sendo usados e vencidos pela ideologia do dinheiro, que de forma violenta tem nos tomado a liberdade.

Não acredite quando te falarem que o dinheiro é a coisa mais importante deste mundo. Certamente essa pessoa já foi enganada pela astúcia poderosa da ideologia do dinheiro. Continue acreditando que você e as pessoas são a coisas mais importantes deste mundo.

"Pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram com muitos sofrimentos." 1 Timóteo 6.10

Tomás de Utopia


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário