Onde quer que o arado o seu traço consiga - Fernando Pessoa

Onde quer que o arado o seu traço consiga 
E onde a fonte, correndo, com a sua água siga
O caminho que, justo, as calhas lhe darão,
Aí, porque há a paz, está meu coração.
Bem sei que o som do mar vem de além dos outeiros
E que do seu bom som os ímpetos primeiros
Turvam de ser diverso o natural da hora,
Quando o campo a não ouve e a solidão a ignora.
Mas qualquer cousa falsa desce e se insinua
Nos anos que são vestígios sob a Lua.

Fernando Pessoa



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário