O caminho do pão - Belinha Neves

O caminho do pão

Toc, toc, toc, toc.
O trote do velho burro
é cansado, na vereda.

O babaçu que balança
é chumbo e fogo no seu lombo
rasgado pela espora.

Com o gemido espasmódico,
pelo rabo lhe escorre
massa fresca com (o)dor.

Para trás, finca o estrume.
Bem atrás, fala o chicote:
vida e morte se abraçam.

E o suor do roceiro
se (re)parte entre aqueles
que não roçam.


Belinha Neves

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário