Em silêncios... - Frederico de Castro

Em silêncios...

Em silêncios



pela calada da noite

adormeço teus olhos

perto de minh’álma

que anda extenuada

à procura da tua imutável…

– O inverno solta seu frio

e assim timido mas intenso

te procuro em brasas com incensos

que me trespassam qual calor ameno

em gargalhadas que varrem

minha frenética terapia da redenção

que prematura e fugás te deixa

cúmplice da nossa almejada absolvição

– Andámos sózinhos

tantas vezes conversos

outras assustadoramente dirpersos

amando sorrateiramente

andando de braço dado com a solidão

que ousa agora escutar atenta

a sabedoria contida neste coração

– Sei

faz-se tarde

talvez seja hora de partir

mas nunca antes

deixares poder

refugiar-me melancólico

na tépida manhã que se avizinha

e acolher-te sobrepujado

pelo apetite insaciável a nós agrilhoado

– Agora sei porque meus sonhos

se aprisionaram indelevelmente

na genialidade dos nossos abraços

quando até o sol acorda brilhando

acossado em teu regaço

exibindo exuberância e beleza

em cada gota de subtileza

que em ti pousa submissa e com delicadeza

Frederico de Castro




Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário