A terra pede socorro - João Gomes Sobrinho (xexéu)

A terra pede socorro

Quando eu era menino
O transporte que havia
Não tinha caixa de macha
Volante nem bateria
Nem queimava combustível
Nem gente nele morria.

O carro que existia
Era feito de madeira
Puxado por uma jumenta
De boi manso de primeira
Chegava onde queria
Sem precisar de carreira.

Levava carga pra feira
Numa macha compassada
Na maior tranqüilidade
Sonorizando a toada
Com dois discos de madeira
Na vitrola da estrada.

Quanto mais carga pesada
Mais estridente cantava
O compasso da cantiga
A boiada acompanhava
Com tanta suavidade
O carreiro cochilava.

Combustível não usava
Nem tinha poluição
O carreiro dirigia
Com uma vara-de-ferrão
Como que fosse um chofer
Dirigindo a direção.

Surgiu a evolução
Trazendo carro a motor
Gerando poluição
Tragédia, espanto e horror
Até que tirou de linha
Nosso carro cantador.

A tarde muda de cor
Assistindo a despedida
Do sol que parte deixando
Numa nuvem colorida
Um poema de saudade
Para a tradição falida.

A natureza convida
O poeta sonhador
Para contemplar os quadros
Feito pelo criador
Dos quais o homem moderno
Tornou-se destruidor.

Cadê aquele rumor
Que o vento brando fazia
Principalmente à tardinha
Ou amanhecer do dia
Que é mormaço quente
Em vez da brisa macia.

Onde foi mata sombria
Hoje é solo esturricado
A selva foi destruída
Pelo gume do machado
Aonde era a cascata
Resta o rochedo escalvado.

O homem modernizado
Tem tudo pra fazer guerra
Estudando a mecânica
Inventou o motor-serra
Tirando a vida da fauna
Do vegetal e da terra.

Sobra para quem não erra
Tudo quanto é malvadeza
Quem opera o motor-serra
Não avalia a tristeza
Que mata a fauna e a flora
Sem poder fazer defesa.

Poluindo a correnteza
Da água pura do rio
Vive o homem contra Deus
Num tremendo desafio
Do frio fazendo quente
Do quente fazendo frio.

Deus fez o globo sadio
Para todos os viventes
O homem contaminou
Com diversos poluentes
Agora está o planeta
E todos nós decadentes.

Reuniu-se os concorrentes
Da destruição total
Estudando vários meios
De plano material
Vê se consegue sanar
O aquecimento global.

Ligado no capital
Sem ter deus no coração
As indústrias fumaçando
E armas de explosão
É muito difícil gente
Encontrar resolução.

Com essa manutenção
Agride o meio-ambiente
Igual veneno no solo
Na lavoura e na semente
O que a terra vem sofrendo
Não há planeta que agüente.

Economia crescente
Ganância pelo poder
Bombas, armas e indústria
Para mais desenvolver
Como salvar-se o planeta
Sem isso retroceder.

Precisa o homem entender
Que a nódoa que se acha
Circulada no planeta
Não se apaga com borracha
Sem toda poluição
Não diminuir a macha.

Para amenizar a taxa
Quem foi que já impatou
As indústrias fumaçarem
Ou quem foi que já parou
Disparo de arma e bomba
Que até hoje não mudou.

O planeta suportou
O dilúvio universal
Depois as águas escoaram
O globo ficou normal
Pelo o supremo poder
De Deus Pai Celestial.

O homem material
Sem Deus não está com nada
Devia estudar agora
Sua ciência avançada
Nesse clima tão carente
Que a terra está sufocada.

Leia a Bíblia Sagrada
Com toda dedicação
Com o coração contrito
Ore a Deus, peça perdão
Em nome de Jesus Cristo
Que salve a situação.

Não é com desunião
Com orgulho e prepotência
Com política bagunçada
E falta de consciência
Que a gente salva o planeta
Que está pedindo clemência.

Quem sofre por inocência
É digno de piedade
A terra, a flora e a fauna
Suplica por caridade
Chega de tanto egoísmo
E tanta perversidade.

Com especialidade
Deus em primeiro lugar
Devemos buscar a ele
Que fez a terra e o mar
Com tudo quanto existe
Para o homem preservar.

Não para esculhambar
Como o homem está fazendo
O ar todo poluído
A água do mar crescendo
A floresta ardendo em chamas
E o gelo se derretendo.

A fauna a toda morrendo
No solo desprotegido
O peixe contaminado
Com o rio poluído
O responsável por isso
Merece ou não ser punido?

O dia está amanhecendo
Vamos todos despertar
Sem a voz do passarinho
Que não conseguiu voar
Sobre as chamas do incêndio
Dos vegetais do pomar.

Não dá mais para esperar
A terra já deu sinal
Vamos cuidar do planeta
Que está passando mal
Por nossa causa sofrendo
Aquecimento global.

Defendendo cada qual
O clima do seu setor
Com responsabilidade
De um ótimo zelador
Vamos trabalhar a bem
De um futuro promissor.

Como simples trovador
Peço Agora humildemente
Através desses meus versos
Que toda classe de gente
Em nome da natureza
Respeite o meio ambiente.

João Gomes Sobrinho (xexéu)



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário