Salmos completo (Todos os salmos na integra para ler e imprimir) 1-52

Salmo 1
 1 Como é feliz aquele que não segue o conselho dos ímpios, não imita a conduta dos pecadores, nem se assenta na roda dos zombadores!
 2 Ao contrário, sua satisfação está na lei do Senhor, e nessa lei medita dia e noite.
 3 É como árvore plantada à beira de águas correntes: Dá fruto no tempo certo e suas folhas não murcham. Tudo o que ele faz prospera!
 4 Não é o caso dos ímpios! São como palha que o vento leva.
 5 Por isso os ímpios não resistirão no julgamento, nem os pecadores na comunidade dos justos.
 6 Pois o Senhor aprova o[1] caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios leva à destruição! 
[1] Ou cuida do; ou ainda conhece o

Salmo 2
 1 Por que se amotinam[2] as nações e os povos tramam em vão? 
[2] A Septuaginta diz se enfurecem.
 2 Os reis da terra tomam posição e os governantes conspiram unidos contra o Senhor e contra o seu ungido, e dizem:
 3 “Façamos em pedaços as suas correntes, lancemos de nós as suas algemas!”
 4 Do seu trono nos céus o Senhor põe-se a rir e caçoa deles.
 5 Em sua ira os repreende e em seu furor os aterroriza, dizendo:
 6 “Eu mesmo estabeleci o meu rei em Sião, no meu santo monte”.
 7 Proclamarei o decreto do Senhor: Ele me disse: Tu és meu filho; eu hoje te gerei.
 8 Pede-me, e te darei as nações como herança e os confins da terra como tua propriedade.
 9 Tu as quebrarás com vara de ferro[3]e as despedaçarás como a um vaso de barro. 
[3] Ou as governarás com cetro de ferro
 10 Por isso, ó reis, sejam prudentes; aceitem a advertência, autoridades da terra.
 11 Adorem o Senhor com temor; exultem com tremor.
 12 Beijem o filho, [4] para que ele não se ire e vocês não sejam destruídos de repente, pois num instante acende-se a sua ira. Como são felizes todos os que nele se refugiam! 
[4] Os versículos 11 e 12 permitem traduções alternativas.

Salmo 3
 1 Senhor, muitos são os meus adversários! Muitos se rebelam contra mim!
 2 São muitos os que dizem a meu respeito: “Deus nunca o salvará!” Pausa[5]
[5] Hebraico: Selá; também em todo o livro de Salmos.
 3 Mas tu, Senhor, és o escudo que me protege; és a minha glória e me fazes andar de cabeça erguida.
 4 Ao Senhor clamo em alta voz, e do seu santo monte ele me responde. Pausa
 5 Eu me deito e durmo, e torno a acordar, porque é o Senhor que me sustém.
 6 Não me assustam os milhares que me cercam.
 7 Levanta-te, Senhor! Salva-me, Deus meu! Quebra o queixo de todos os meus inimigos; arrebenta os dentes dos ímpios.
 8 Do Senhor vem o livramento. A tua bênção está sobre o teu povo. Pausa

Salmo 4
 1 Responde-me quando clamo, ó Deus que me fazes justiça! Dá-me alívio da minha angústia; tem misericórdia de mime ouve a minha oração.
 2 Até quando vocês, ó poderosos[6], ultrajarão a minha honra? [7]Até quando estarão amando ilusões e buscando mentiras[8]? Pausa
[6] Ou mortais 
[7] Ou desonrarão aquele em quem me glorio? 
[8] Ou deuses falsos?
 3 Saibam que o Senhor escolheu o piedoso; o Senhor ouvirá quando eu o invocar.
 4 Quando vocês ficarem irados, não pequem; ao deitar-se reflitam nisso, e aquietem-se. Pausa
 5 Ofereçam sacrifícios como Deus exige e confiem no Senhor.
 6 Muitos perguntam: “Quem nos fará desfrutar o bem?” Faze, ó Senhor, resplandecer sobre nós a luz do teu rosto! [9]
[9] Isto é, mostra-nos, Senhor, a tua bondade!
 7 Encheste o meu coração de alegria, alegria maior do que a daqueles que têm fartura de trigo e de vinho.
 8 Em paz me deito e logo adormeço, pois só tu, Senhor, me fazes viver em segurança.

Salmo 5
 1 Escuta, Senhor, as minhas palavras, considera o meu gemer.
 2 Atenta para o meu grito de socorro, meu Rei e meu Deus, pois é a ti que imploro.
 3 De manhã ouves, Senhor, o meu clamor; de manhã te apresento a minha oração[10]e aguardo com esperança. 
[10] Ou o meu sacrifício
 4 Tu não és um Deus que tenha prazer na injustiça; contigo o mal não pode habitar.
 5 Os arrogantes não são aceitos na tua presença; odeias todos os que praticam o mal.
 6 Destróis os mentirosos; os assassinos e os traiçoeiros o Senhor detesta.
 7 Eu, porém, pelo teu grande amor, entrarei em tua casa; com temor me inclinarei para o teu santo templo.
 8 Conduze-me, Senhor, na tua justiça, por causa dos meus inimigos; aplaina o teu caminho diante de mim.
 9 Nos lábios deles não há palavra confiável; suas mentes só tramam destruição. Suas gargantas são um túmulo aberto; com suas línguas enganam sutilmente.
 10 Condena-os, ó Deus! Caiam eles por suas próprias maquinações. Expulsa-os por causa dos seus muitos crimes, pois se rebelaram contra ti.
 11 Alegrem-se, porém, todos os que se refugiam em ti; cantem sempre de alegria! Estende sobre eles a tua proteção. Em ti exultem os que amam o teu nome.
 12 Pois tu, Senhor, abençoas o justo; o teu favor o protege como um escudo.

Salmo 6
 1 Senhor, não me castigues na tua ira nem me disciplines no teu furor.
 2 Misericórdia, Senhor, pois vou desfalecendo! Cura-me, Senhor, pois os meus ossos tremem:
 3 todo o meu ser estremece. Até quando, Senhor, até quando?
 4 Volta-te, Senhor, e livra-me; salva-me por causa do teu amor leal.
 5 Quem morreu não se lembra de ti. Entre os mortos[11], quem te louvará? 
[11] Hebraico: Sheol. Essa palavra também pode ser traduzida por sepultura, profundezas, pó ou morte.
 6 Estou exausto de tanto gemer. De tanto chorar inundo de noite a minha cama; de lágrimas encharco o meu leito.
 7 Os meus olhos se consomem de tristeza; fraquejam por causa de todos os meus adversários.
 8 Afastem-se de mim todos vocês que praticam o mal, porque o Senhor ouviu o meu choro.
 9 O Senhor ouviu a minha súplica; o Senhor aceitou a minha oração.
 10 Serão humilhados e aterrorizados todos os meus inimigos; frustrados, recuarão de repente.

Capítulo 7
 1 Senhor, meu Deus, em ti me refugio; salva-me e livra-me de todos os que me perseguem,
 2 para que, como leões, não me dilacerem nem me despedacem, sem que ninguém me livre.
 3 Senhor, meu Deus, se assim procedi, se nas minhas mãos há injustiça,
 4 se fiz algum mal a um amigo ou se poupei[12] sem motivo o meu adversário, 
[12] Ou explorei
 5 persiga-me o meu inimigo até me alcançar, no chão me pisoteie e aniquile a minha vida, lançando a minha honra no pó. Pausa
 6 Levanta-te, Senhor, na tua ira; ergue-te contra o furor dos meus adversários. Desperta-te, meu Deus! Ordena a justiça!
 7 Reúnam-se os povos ao teu redor. Das alturas reina sobre eles.
 8 O Senhor é quem julga os povos. Julga-me, Senhor, conforme a minha justiça, conforme a minha integridade.
 9 Deus justo, que sondas as mentes e os corações, dá fim à maldade dos ímpios e ao justo dá segurança.
 10 O meu escudo está nas mãos de Deus, que salva o reto de coração.
 11 Deus é um juiz justo, um Deus que manifesta cada dia o seu furor.
 12 Se o homem não se arrepende, Deus afia a sua espada, arma o seu arco e o aponta,
 13 prepara as suas armas mortais e faz de suas setas flechas flamejantes.
 14 Quem gera a maldade, concebe sofrimento e dá à luz a desilusão.
 15 Quem cava um buraco e o aprofunda cairá nessa armadilha que fez.
 16 Sua maldade se voltará contra ele; sua violência cairá sobre a sua própria cabeça.
 17 Darei graças ao Senhor por sua justiça; ao nome do Senhor Altíssimo cantarei louvores.

Capítulo 8
 1 Senhor, Senhor nosso, como é majestoso o teu nome em toda a terra! Tu, cuja glória é cantada nos céus. [13]
[13] Ou Puseste a tua glória nos céus; ou ainda Eu te cultuarei acima dos céus.
 2 Dos lábios das crianças e dos recém nascidos firmaste o teu nome como fortaleza[14], por causa dos teus adversários, para silenciar o inimigo que busca vingança. 
[14] Ou suscitaste louvor
 3 Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que ali firmaste,
 4 pergunto: Que é o homem, para que com ele te importes? E o filho do homem, para que com ele te preocupes?
 5 Tu o fizeste um pouco menor do que os seres celestiais[15]e o coroaste de glória e de honra. 
[15] Ou do que Deus
 6 Tu o fizeste dominar sobre as obras das tuas mãos; sob os seus pés tudo puseste:
 7 todos os rebanhos e manadas, e até os animais selvagens,
 8 as aves do céu, os peixes do mar e tudo o que percorre as veredas dos mares.
 9 Senhor, Senhor nosso, como é majestoso o teu nome em toda a terra!

Capítulo 9
 1 Senhor, quero dar-te graças de todo o coração e falar de todas as tuas maravilhas.
 2 Em ti quero alegrar-me e exultar, e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo.
 3 Quando os meus inimigos contigo se defrontam, tropeçam e são destruídos.
 4 Pois defendeste o meu direito e a minha causa; em teu trono te assentaste, julgando com justiça.
 5 Repreendeste as nações e destruíste os ímpios; para todo o sempre apagaste o nome deles.
 6 O inimigo foi totalmente arrasado, para sempre; desarraigaste as suas cidades; já não há quem delas se lembre.
 7 O Senhor reina para sempre; estabeleceu o seu trono para julgar.
 8 Ele mesmo julga o mundo com justiça; governa os povos com retidão.
 9 O Senhor é refúgio para os oprimidos, uma torre segura na hora da adversidade.
 10 Os que conhecem o teu nome confiam em ti, pois tu, Senhor, jamais abandonas os que te buscam.
 11 Cantem louvores ao Senhor, que reina em Sião; proclamem entre as nações os seus feitos.
 12 Aquele que pede contas do sangue derramado não esquece; ele não ignora o clamor dos oprimidos.
 13 Misericórdia, Senhor! Vê o sofrimento que me causamos que me odeiam. Salva-me das portas da morte,
 14 para que, junto às portas da cidade[18] de Sião, eu cante louvores a ti e ali exulte em tua salvação. 
[18] Hebraico: filha.
 15 Caíram as nações na cova que abriram; os seus pés ficaram presos no laço que esconderam.
 16 O Senhor é conhecido pela justiça que executa; os ímpios caem em suas próprias armadilhas. Interlúdio[19]. Pausa
[19] Hebraico: Higaion.
 17 Voltem os ímpios ao pó[20], todas as nações que se esquecem de Deus! 
[20] Hebraico: Sheol. Essa palavra também pode ser traduzida por sepultura, profundezas ou morte.
 18 Mas os pobres nunca serão esquecidos, nem se frustrará a esperança dos necessitados.
 19 Levanta-te, Senhor! Não permitas que o mortal triunfe! Julgadas sejam as nações na tua presença.
 20 Infunde-lhes terror, Senhor; saibam as nações que não passam de seres humanos. Pausa

Capítulo 10 
 1 Senhor, por que estás tão longe? Por que te escondes em tempos de angústia?
 2 Em sua arrogância o ímpio persegue o pobre, que é apanhado em suas tramas.
 3 Ele se gaba de sua própria cobiça e, em sua ganância, amaldiçoa[21] e insulta o Senhor. 
[21] Hebraico: abençoa. Aqui empregado como eufemismo.
 4 Em sua presunção o ímpio não o busca; não há lugar para Deus em nenhum dos seus planos.
 5 Os seus caminhos prosperam sempre; tão acima da sua compreensão estão as tuas leis que ele faz pouco caso de todos os seus adversários,
 6 pensando consigo mesmo: “Nada me abalará! Desgraça alguma me atingirá, nem a mim nem aos meus descendentes”.
 7 Sua boca está cheia de maldições, mentiras e ameaças; violência e maldade estão em sua língua.
 8 Fica à espreita perto dos povoados; em emboscadas mata os inocentes, procurando às escondidas as suas vítimas.
 9 Fica à espreita como o leão escondido; fica à espreita para apanhar o necessitado; apanha o necessitado e o arrasta para a sua rede.
 10 Agachado, fica de tocaia; as suas vítimas caem em seu poder.
 11 Pensa consigo mesmo: “Deus se esqueceu; escondeu o rosto e nunca verá isto”.
 12 Levanta-te, Senhor! Ergue a tua mão, ó Deus! Não te esqueças dos necessitados.
 13 Por que o ímpio insulta a Deus, dizendo no seu íntimo: “De nada me pedirás contas!”?
 14 Mas tu enxergas o sofrimento e a dor; observa-os para tomá-los em tuas mãos. A vítima deles entrega-se a ti; tu és o protetor do órfão.
 15 Quebra o braço do ímpio e do perverso, pede contas de sua impiedade até que dela nada mais se ache[22]. 
[22] Ou do contrário, não será descoberta
 16 O Senhor é rei para todo o sempre; da sua terra desapareceram os outros povos.
 17 Tu, Senhor, ouves a súplica dos necessitados; tu os reanimas e atendes ao seu clamor.
 18 Defendes o órfão e o oprimido, a fim de que o homem, que é pó, já não cause terror.
Capítulo 11 
 1 No Senhor me refugio. Como então vocês podem dizer-me: “Fuja como um pássaro para os montes”?
 2 Vejam! Os ímpios preparam os seus arcos; colocam as flechas contra as cordas para das sombras as atirarem nos retos de coração.
 3 Quando os fundamentos estão sendo destruídos, que pode fazer o justo?
 4 O Senhor está no seu santo templo; o Senhor tem o seu trono nos céus. Seus olhos observam; seus olhos examinam os filhos dos homens.
 5 O Senhor prova o justo, mas o ímpio e a quem[23] ama a injustiça, a sua alma odeia. 
[23] Ou O Senhor examina o justo e o ímpio, mas a quem; ou ainda O Senhor, o Justo, examina o ímpio, mas a quem
 6 Sobre os ímpios ele fará chover brasas ardentes e enxofre incandescente; vento ressecante é o que terão.
 7 Pois o Senhor é justo, e ama a justiça; os retos verão a sua face.

Capítulo 12 
 1 Salva-nos, Senhor! Já não há quem seja fiel; já não se confia em ninguém entre os homens.
 2 Cada um mente ao seu próximo; seus lábios bajuladores falam com segundas intenções.
 3 Que o Senhor corte todos os lábios bajuladores e a língua arrogante
 4 dos que dizem: “Venceremos graças à nossa língua; somos donos dos nossos lábios! [24]Quem é senhor sobre nós?” 
[24] Ou nossos lábios são lâminas cortantes!
 5 “Por causa da opressão do necessitado e do gemido do pobre, agora me levantarei”, diz o Senhor. “Eu lhes darei a segurança que tanto anseiam.” [25]
[25] Ou “Eu os protegerei dos que anseiam destruí-los.”
 6 As palavras do Senhor são puras, são como prata purificada num forno, sete vezes refinada.
 7 Senhor, tu nos guardarás seguros, e dessa gente nos protegerás para sempre.
 8 Os ímpios andam altivos por toda parte, quando a corrupção é exaltada entre os ho­mens.

Capítulo 13 
 1 Até quando, Senhor? Para sempre te esquecerás de mim? Até quando esconderás de mim o teu rosto?
 2 Até quando terei inquietações e tristeza no coração dia após dia? Até quando o meu inimigo triunfará sobre mim?
 3 Olha para mim e responde, Senhor, meu Deus. Ilumina os meus olhos, ou do contrário dormirei o sono da morte;
 4 os meus inimigos dirão: “Eu o venci”, e os meus adversários festejarão o meu fracasso.
 5 Eu, porém, confio em teu amor; o meu coração exulta em tua salvação.
 6 Quero cantar ao Senhor pelo bem que me tem feito.

Capítulo 14 
 1 Diz o tolo em seu coração: “Deus não existe”. Corromperam-se e cometeram atos detestáveis; não há ninguém que faça o bem.
 2 O Senhor olha dos céus para os filhos dos homens, para ver se há alguém que tenha entendimento, alguém que busque a Deus.
 3 Todos se desviaram, igualmente se corromperam; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer.
 4 Será que nenhum dos malfeitores aprende? Eles devoram o meu povo como quem come pão, e não clamam pelo Senhor!
 5 Olhem! Estão tomados de pavor! Pois Deus está presente no meio dos justos.
 6 Vocês, malfeitores, frustram os planos dos pobres, mas o refúgio deles é o Senhor.
 7 Ah, se de Sião viesse a salvação para Israel! Quando o Senhor restaurar o seu[26] povo, Jacó exultará! Israel se regozijará! 
[26] Ou trouxer de volta os cativos do seu

Capítulo 15 
 1 Senhor, quem habitará no teu santuário? Quem poderá morar no teu santo monte?
 2 Aquele que é íntegro em sua conduta e pratica o que é justo, que de coração fala a verdade
 3 e não usa a língua para difamar, que nenhum mal faz ao seu semelhante e não lança calúnia contra o seu próximo,
 4 que rejeita quem merece desprezo, mas honra os que temem o Senhor, que mantém a sua palavra, mesmo quando sai prejudicado,
 5 que não empresta o seu dinheiro visando lucro nem aceita suborno contra o inocente. Quem assim procede nunca será abalado!

Capítulo 16 
 1 Protege-me, ó Deus, pois em ti me refugio.
 2 Ao Senhor declaro: “Tu és o meu Senhor; não tenho bem nenhum além de ti”.
 3 Quanto aos fiéis que há na terra, eles é que são os notáveis em quem está todo o meu prazer. 
[27] Ou Quanto aos sacerdotes pagãos que estão na terra, e aos nobres em quem todos têm prazer, eu disse: Aumentarão suas tristezas, pois correm atrás de outros deuses.
 4 Grande será o sofrimento dos que correm atrás de outros deuses. [27]Não participarei dos seus sacrifícios de sangue, e os meus lábios nem mencionarão os seus nomes.
 5 Senhor, tu és a minha porção e o meu cálice; és tu que garantes o meu futuro.
 6 As divisas caíram para mimem lugares agradáveis: Tenho uma bela herança!
 7 Bendirei o Senhor, que me aconselha; na escura noite o meu coração me ensina!
 8 Sempre tenho o Senhor diante de mim. Com ele à minha direita, não serei abalado.
 9 Por isso o meu coração se alegra e no íntimo exulto; mesmo o meu corpo repousará tranqüilo,
 10 porque tu não me abandonarás no sepulcro[28], nem permitirás que o teu santo sofra decomposição. 
[28] Hebraico: Sheol. Essa palavra também pode ser traduzida por profundezas, pó ou morte.
 11 Tu me farás[29] conhecer a vereda da vida, a alegria plena da tua presença, eterno prazer à tua direita. 
[29] Ou fizeste

Capítulo 17 
 1 Ouve, Senhor, a minha justa queixa; atenta para o meu clamor. Dá ouvidos à minha oração, que não vem de lábios falsos.
 2 Venha de ti a sentença em meu favor; vejam os teus olhos onde está a justiça!
 3 Provas o meu coração e de noite me examinas, tu me sondas, e nada encontras; decidi que a minha boca não pecará
 4 como fazem os homens. Pela palavra dos teus lábioseu evitei os caminhos do violento.
 5 Meus passos seguem firmes nas tuas veredas; os meus pés não escorregaram.
 6 Eu clamo a ti, ó Deus, pois tu me respondes; inclina para mim os teus ouvidos e ouve a minha oração.
 7 Mostra a maravilha do teu amor, tu, que com a tua mão direita salvas os que em ti buscam proteção contra aqueles que os ameaçam.
 8 Protege-me como à menina dos teus olhos; esconde-me à sombra das tuas asas,
 9 dos ímpios que me atacam com violência, dos inimigos mortais que me cercam.
 10 Eles fecham o coração insensível, e com a boca falam com arrogância.
 11 Eles me seguem os passos, e já me cercam; seus olhos estão atentos, prontos para derrubar-me.
 12 São como um leão ávido pela presa, como um leão forte agachado na emboscada.
 13 Levanta-te, Senhor! Confronta-os! Derruba-os! Com a tua espada livra-me dos ímpios.
 14 Com a tua mão, Senhor, livra-me de homens assim, de homens deste mundo, cuja recompensa está nesta vida. Enche-lhes o ventre de tudo o que lhes reservaste; sejam os seus filhos saciados, e o que sobrar fique para os seus pequeninos. [30] 
[30] Ou Tu sacias a fome daqueles a quem queres bem; os seus filhos têm fartura, e armazenam bens para os seus pequeninos.
 15 Quanto a mim, feita a justiça, verei a tua face; quando despertar, ficarei satisfeito ao ver a tua semelhança.

Capítulo 18 
 1 Eu te amo, ó Senhor, minha força.
 2 O Senhor é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador; o meu Deus é o meu rochedo, em quem me refugio. Ele é o meu escudo e o poder[31] que me salva, a minha torre alta. 
[31] Hebraico: chifre.
 3 Clamo ao Senhor, que é digno de louvor, e estou salvo dos meus inimigos.
 4 As cordas da morte me enredaram; as torrentes da destruição me surpreenderam.
 5 As cordas do Sheol[32] me envolveram; os laços da morte me alcançaram. 
[32] Essa palavra pode ser traduzida por sepultura, profundezas, pó ou morte.
 6 Na minha aflição clamei ao Senhor; gritei por socorro ao meu Deus. Do seu templo ele ouviu a minha voz; meu grito chegou à sua presença, aos seus ouvidos.
 7 A terra tremeu e agitou-se, e os fundamentos dos montes se abalaram; estremeceram porque ele se irou.
 8 Das suas narinas subiu fumaça; da sua boca saíram brasas vivas e fogo consumidor.
 9 Ele abriu os céus e desceu; nuvens escuras estavam sob os seus pés.
 10 Montou um querubim e voou, deslizando sobre as asas do vento.
 11 Fez das trevas o seu esconderijo, das escuras nuvens, cheias de água, o abrigo que o envolvia.
 12 Com o fulgor da sua presença as nuvens se desfizeram em granizo e raios,
 13 quando dos céus trovejou o Senhor, e ressoou a voz do Altíssimo.
 14 Atirou suas flechas e dispersou meus inimigos, com seus raios os derrotou.
 15 O fundo do mar apareceu, e os fundamentos da terra foram expostospela tua repreensão, ó Senhor, com o forte sopro das tuas narinas.
 16 Das alturas estendeu a mão e me segurou; tirou-me das águas profundas.
 17 Livrou-me do meu inimigo poderoso, dos meus adversários, fortes demais para mim.
 18 Eles me atacaram no dia da minha desgraça, mas o Senhor foi o meu amparo.
 19 Ele me deu total libertação; [33]livrou-me porque me quer bem. 
[33] Hebraico: Ele me levou para um local espaçoso.
 20 O Senhor me tratou conforme a minha justiça; conforme a pureza das minhas mãos recompensou-me.
 21 Pois segui os caminhos do Senhor; não agi como ímpio, afastando-me do meu Deus.
 22 Todas as suas ordenanças estão diante de mim; não me desviei dos seus decretos.
 23 Tenho sido irrepreensível para com ele e guardei-me de praticar o mal.
 24 O Senhor me recompensou conforme a minha justiça, conforme a pureza das minhas mãos diante dos seus olhos.
 25 Ao fiel te revelas fiel, ao irrepreensível te revelas irrepreensível,
 26 ao puro te revelas puro, mas com o perverso reages à altura.
 27 Salvas os que são humildes, mas humilhas os de olhos altivos.
 28 Tu, Senhor, manténs acesa a minha lâmpada; o meu Deus transforma em luz as minhas trevas.
 29 Com o teu auxílio posso atacar uma tropa; com o meu Deus posso transpor muralhas.
 30 Este é o Deus cujo caminho é perfeito; a palavra do Senhor é comprovadamente genuína. Ele é um escudo para todos os que nele se refugiam.
 31 Pois quem é Deus além do Senhor? E quem é rocha senão o nosso Deus?
 32 Ele é o Deus que me reveste de força e torna perfeito o meu caminho.
 33 Torna os meus pés ágeis como os da corça, sustenta-me firme nas alturas.
 34 Ele treina as minhas mãos para a batalha e os meus braços para vergar um arco de bronze.
 35 Tu me dás o teu escudo de vitória; tua mão direita me sustém; desces ao meu encontro para exaltar-me.
 36 Deixaste livre o meu caminho, para que não se torçam os meus tornozelos.
 37 Persegui os meus inimigos e os alcancei; e não voltei enquanto não foram destruídos.
 38 Massacrei-os, e não puderam levantar-se; jazem debaixo dos meus pés.
 39 Deste-me força para o combate; subjugaste os que se rebelaram contra mim.
 40 Puseste os meus inimigos em fuga e exterminei os que me odiavam.
 41 Gritaram por socorro, mas não houve quem os salvasse; clamaram ao Senhor, mas ele não respondeu.
 42 Eu os reduzi a pó, pó que o vento leva. Pisei-os como à lama das ruas.
 43 Tu me livraste de um povo em revolta; fizeste-me o cabeça de nações; um povo que não conheci sujeita-se a mim.
 44 Assim que me ouvem, me obedecem; são estrangeiros que se submetem a mim.
 45 Todos eles perderam a coragem; tremendo, saem das suas fortalezas.
 46 O Senhor vive! Bendita seja a minha Rocha! Exaltado seja Deus, o meu Salvador!
 47 Este é o Deus que em meu favor executa vingança, que a mim sujeita nações.
 48 Tu me livraste dos meus inimigos; sim, fizeste-me triunfar sobre os meus agressores, e de homens violentos me libertaste.
 49 Por isso eu te louvarei entre as nações, ó Senhor; cantarei louvores ao teu nome.
 50 Ele dá grandes vitórias ao seu rei; é bondoso com o seu ungido, com Davi e os seus descendentes para sempre.

Capítulo 19 
 1 Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos.
 2 Um dia fala disso a outro dia; uma noite o revela a outra noite.
 3 Sem discurso nem palavras, não se ouve a sua voz.
 4 Mas a sua voz[34] ressoa por toda a terra, e as suas palavras, até os confins do mundo. Nos céus ele armou uma tenda para o sol, 
[34] Conforme a Septuaginta e a Versão Siríaca. O Texto Massorético diz corda.
 5 que é como um noivo que sai de seu aposento e se lança em sua carreira com a alegria de um herói.
 6 Sai de uma extremidade dos céus e faz o seu trajeto até a outra; nada escapa ao seu calor.
 7 A lei do Senhor é perfeita, e revigora a alma. Os testemunhos do Senhor são dignos de confiança, e tornam sábios os inexperientes.
 8 Os preceitos do Senhor são justos, e dão alegria ao coração. Os mandamentos do Senhor são límpidos, e trazem luz aos olhos.
 9 O temor do Senhor é puro, e dura para sempre. As ordenanças do Senhor são verdadeiras, são todas elas justas.
 10 São mais desejáveis do que o ouro, do que muito ouro puro; são mais doces do que o mel, do que as gotas do favo.
 11 Por elas o teu servo é advertido; há grande recompensa em obedecer-lhes.
 12 Quem pode discernir os próprios erros? Absolve-me dos que desconheço!
 13 Também guarda o teu servo dos pecados intencionais; que eles não me dominem! Então serei íntegro, inocente de grande transgressão.
 14 Que as palavras da minha boca e a meditação do meu coração sejam agradáveis a ti, Senhor, minha Rocha e meu Resgatador!

Capítulo 20 
 1 Que o Senhor te responda no tempo da angústia; o nome do Deus de Jacó te proteja!
 2 Do santuário te envie auxílio e de Sião te dê apoio.
 3 Lembre-se de todas as tuas ofertas e aceite os teus holocaustos[35]. Pausa
[35] Isto é, sacrifícios totalmente queimados.
 4 Conceda-te o desejo do teu coração e leve a efeito todos os teus planos.
 5 Saudaremos a tua vitória com gritos de alegria e ergueremos as nossas bandeira sem nome do nosso Deus. Que o Senhor atenda todos os teus pedidos!
 6 Agora sei que o Senhor dará vitória ao seu ungido; dos seus santos céus lhe responde com o poder salvador da sua mão direita.
 7 Alguns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós confiamos no nome do Senhor, o nosso Deus.
 8 Eles vacilam e caem, mas nós nos erguemos e estamos firmes.
 9 Senhor, concede vitória ao rei! Responde-nos[36] quando clamamos! 
[36] Ou Vitória! Ó Rei, responde-nos

Capítulo 21 
 1 O rei se alegra na tua força, ó Senhor! Como é grande a sua exultação pelas vitórias que lhe dás!
 2 Tu lhe concedeste o desejo do seu coração e não lhe rejeitaste o pedido dos seus lábios. Pausa
 3 Tu o recebeste dando-lhe ricas bênçãos, e em sua cabeça puseste uma coroa de ouro puro.
 4 Ele te pediu vida, e tu lhe deste! Vida longa e duradoura.
 5 Pelas vitórias que lhe deste, grande é a sua glória; de esplendor e majestade o cobriste.
 6 Fizeste dele uma grande bênção para sempre e lhe deste a alegria da tua presença.
 7 O rei confia no Senhor: por causa da fidelidade do Altíssimo ele não será abalado.
 8 Tua mão alcançará todos os teus inimigos; tua mão direita atingirá todos os que te odeiam.
 9 No dia em que te manifestares farás deles uma fornalha ardente. Na sua ira o Senhor os devorará, um fogo os consumirá.
 10 Acabarás com a geração deles na terra, com a sua descendência entre os homens.
 11 Embora tramem o mal contra ti e façam planos perversos, nada conseguirão;
 12 pois tu os porás em fuga quando apontares para eles o teu arco.
 13 Sê exaltado, Senhor, na tua força! Cantaremos e louvaremos o teu poder.

Capítulo 22 
 1 Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste? Por que estás tão longe de salvar-me, tão longe dos meus gritos de angústia?
 2 Meu Deus! Eu clamo de dia, mas não respondes; de noite, e não recebo alívio!
 3 Tu, porém, és o Santo, és rei, és o louvor de Israel.
 4 Em ti os nossos antepassados puseram a sua confiança; confiaram, e os livraste.
 5 Clamaram a ti, e foram libertos; em ti confiaram, e não se decepcionaram.
 6 Mas eu sou verme, e não homem, motivo de zombaria e objeto de desprezo do povo.
 7 Caçoam de mim todos os que me vêem; balançando a cabeça, lançam insultos contra mim, dizendo:
 8 “Recorra ao Senhor! Que o Senhor o liberte! Que ele o livre, já que lhe quer bem!”
 9 Contudo, tu mesmo me tiraste do ventre; deste-me segurança junto ao seio de minha mãe.
 10 Desde que nasci fui entregue a ti; desde o ventre materno és o meu Deus.
 11 Não fiques distante de mim, pois a angústia está perto e não há ninguém que me socorra.
 12 Muitos touros me cercam, sim, rodeiam-me os poderosos de Basã.
 13 Como leão voraz rugindo, escancaram a boca contra mim.
 14 Como água me derramei, e todos os meus ossos estão desconjuntados. Meu coração se tornou como cera; derreteu-se no meu íntimo.
 15 Meu vigor secou-se como um caco de barro, e a minha língua gruda no céu da boca; deixaste-me no pó, à beira da morte.
 16 Cães me rodearam! Um bando de homens maus me cercou! Perfuraram minhas mãos e meus pés.
 17 Posso contar todos os meus ossos, mas eles me encaram com desprezo.
 18 Dividiram as minhas roupas entre si, e lançaram sortes pelas minhas vestes.
 19 Tu, porém, Senhor, não fiques distante! Ó minha força, vem logo em meu socorro!
 20 Livra-me da espada, livra a minha vida do ataque dos cães.
 21 Salva-me da boca dos leões, e dos chifres dos bois selvagens. E tu me respondeste.
 22 Proclamarei o teu nome a meus irmãos; na assembléia te louvarei.
 23 Louvem-no, vocês que temem o Senhor! Glorifiquem-no, todos vocês, descendentes de Jacó! Tremam diante dele, todos vocês, descendentes de Israel!
 24 Pois não menosprezou nem repudiou o sofrimento do aflito; não escondeu dele o rosto, mas ouviu o seu grito de socorro.
 25 De ti vem o tema do meu louvor na grande assembléia; na presença dos que te[37] temem cumprirei os meus votos. 
[37] Hebraico: o.
 26 Os pobres comerão até ficarem satisfeitos; aqueles que buscam o Senhor o louvarão! Que vocês tenham vida longa!
 27 Todos os confins da terras e lembrarão e se voltarão para o Senhor, e todas as famílias das nações se prostrarão diante dele,
 28 pois do Senhor é o reino; ele governa as nações.
 29 Todos os ricos da terras e banquetearão e o adorarão; haverão de ajoelhar-se diante dele todos os que descem ao pó, cuja vida se esvai.
 30 A posteridade o servirá; gerações futuras ouvirão falar do Senhor,
 31 e a um povo que ainda não nasceu proclamarão seus feitos de justiça, pois ele agiu poderosamente.

Capítulo 23 
 1 O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta.
 2 Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz a águas tranqüilas;
 3 restaura-me o vigor. Guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome.
 4 Mesmo quando eu andar por um vale de trevas e morte, não temerei perigo algum, pois tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me protegem.
 5 Preparas um banquete para mim à vista dos meus inimigos. Tu me honras, ungindo a minha cabeça com óleo e fazendo transbordar o meu cálice.
 6 Sei que a bondade e a fidelidade me acompanharão todos os dias da minha vida, e voltarei à[38] casa do Senhor enquanto eu viver.
[38] A Septuaginta e outras versões antigas dizem habitarei na.

Capítulo 24 
 1 Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele vivem;
 2 pois foi ele quem fundou-a sobre os mares e firmou-a sobre as águas.
 3 Quem poderá subir o monte do Senhor? Quem poderá entrar no seu Santo Lugar?
 4 Aquele que tem as mãos limpas e o coração puro, que não recorre aos ídolos nem jura por deuses falsos[39]. 
[39] Ou não se volta para a mentira nem jura falsamente
 5 Ele receberá bênçãos do Senhor, e Deus, o seu Salvador lhe fará justiça.
 6 São assim aqueles que o buscam, que buscam a tua face, ó Deus de Jacó[40]. Pausa
[40] Conforme dois manuscritos do Texto Massorético, a Versão Siríaca e a Septuaginta. A maioria dos manuscritos do Texto Massorético diz a tua face, Jacó.
 7 Abram-se, ó portais; abram-se, [41] ó portas antigas, para que o Rei da glória entre. 
[41] Hebraico: Levantem a cabeça, ó portais; estejam erguidas; também no versículo 9.
 8 Quem é o Rei da glória? O Senhor forte e valente, o Senhor valente nas guerras.
 9 Abram-se, ó portais; abram-se, ó portas antigas, para que o Rei da glória entre.
 10 Quem é esse Rei da glória? O Senhor dos Exércitos; ele é o Rei da glória! Pausa

Capítulo 25 
 1 A ti, Senhor, elevo a minha alma. 
[42] O salmo 25 é um poema organizado em ordem alfabética, no hebraico.
 2 Em ti confio, ó meu Deus. Não deixes que eu seja humilhado, nem que os meus inimigos triunfem sobre mim!
 3 Nenhum dos que esperam em ti ficará decepcionado; decepcionados ficarão aqueles que, sem motivo, agem traiçoeiramente.
 4 Mostra-me, Senhor, os teus caminhos, ensina-me as tuas veredas;
 5 guia-me com a tua verdade e ensina-me, pois tu és Deus, meu Salvador, e a minha esperança está em ti o tempo todo.
 6 Lembra-te, Senhor, da tua compaixão e da tua misericórdia, que tens mostrado desde a antigüidade.
 7 Não te lembres dos pecados e transgressões da minha juventude; conforme a tua misericórdia, lembra-te de mim, pois tu, Senhor, és bom.
 8 Bom e justo é o Senhor; por isso mostra o caminho aos pecadores.
 9 Conduz os humildes na justiça e lhes ensina o seu caminho.
 10 Todos os caminhos do Senhor são amor e fidelidade para com os que cumprem os preceitos da sua aliança.
 11 Por amor do teu nome, Senhor, perdoa o meu pecado, que é tão grande!
 12 Quem é o homem que teme o Senhor? Ele o instruirá no caminho que deve seguir.
 13 Viverá em prosperidade, e os seus descendentes herdarão a terra.
 14 O Senhor confia os seus segredos aos que o temem, e os leva a conhecer a sua aliança.
 15 Os meus olhos estão sempre voltados para o Senhor, pois só ele tira os meus pés da armadilha.
 16 Volta-te para mim e tem misericórdia de mim, pois estou só e aflito.
 17 As angústias do meu coração se multiplicaram; liberta-me da minha aflição.
 18 Olha para a minha tribulação e o meu sofrimento, e perdoa todos os meus pecados.
 19 Vê como aumentaram os meus inimigos e com que fúria me odeiam!
 20 Guarda a minha vida e livra-me! Não me deixes decepcionado, pois eu me refugio em ti.
 21 Que a integridade e a retidão me protejam, porque a minha esperança está em ti.
 22 Ó Deus, liberta Israel de todas as suas aflições!

Capítulo 26 
 1 Faze-me justiça, Senhor, pois tenho vivido com integridade. Tenho confiado no Senhor, sem vacilar.
 2 Sonda-me, Senhor, e prova-me, examina o meu coração e a minha mente;
 3 pois o teu amor está sempre diante de mim, e continuamente sigo a tua verdade.
 4 Não me associo com homens falsos, nem ando com hipócritas;
 5 detesto o ajuntamento dos malfeitores, e não me assento com os ímpios.
 6 Lavo as mãos na inocência, e do teu altar, Senhor, me aproximo
 7 cantando hinos de gratidão e falando de todas as tuas maravilhas.
 8 Eu amo, Senhor, o lugar da tua habitação, onde a tua glória habita.
 9 Não me dês o destino dos pecadores, nem o fim dos assassinos;
 10 suas mãos executam planos perversos, praticam suborno abertamente.
 11 Mas eu vivo com integridade; livra-me e tem misericórdia de mim.
 12 Os meus pés estão firmes na retidão; na grande assembléia bendirei o Senhor.

Capítulo 27 
 1 O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei temor? O Senhor é o meu forte refúgio; de quem terei medo?
 2 Quando homens maus avançarem contra mim para destruir-me[43], eles, meus inimigos e meus adversários, é que tropeçarão e cairão. 
[43] Hebraico: devorar a minha carne.
 3 Ainda que um exército se acampe contra mim, meu coração não temerá; ainda que se declare guerra contra mim, mesmo assim estarei confiante.
 4 Uma coisa pedi ao Senhor; é o que procuro: que eu possa viver na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a bondade do Senhor e buscar sua orientação no seu templo.
 5 Pois no dia da adversidade ele me guardará protegido em sua habitação; no seu tabernáculo me esconderá e me porá em segurança sobre um rochedo.
 6 Então triunfarei sobre os inimigos que me cercam. Em seu tabernáculo oferecerei sacrifícios com aclamações; cantarei e louvarei ao Senhor.
 7 Ouve a minha voz quando clamo, ó Senhor; tem misericórdia de mim e responde-me.
 8 A teu respeito diz o meu coração: Busque a minha face! [44]A tua face, Senhor, buscarei. 
[44] Ou A você, ó meu coração, ele diz: “Busque a minha face!”
 9 Não escondas de mim a tua face, não rejeites com ira o teu servo; tu tens sido o meu ajudador. Não me desampares nem me abandones, ó Deus, meu salvador!
 10 Ainda que me abandonem pai e mãe, o Senhor me acolherá.
 11 Ensina-me o teu caminho, Senhor; conduze-me por uma vereda segura por causa dos meus inimigos.
 12 Não me entregues ao capricho dos meus adversários, pois testemunhas falsas se levantam contra mim, respirando violência.
 13 Apesar disso, esta certeza eu tenho: viverei até ver a bondade do Senhor na terra.
 14 Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor.
Capítulo 28 
 1 A ti eu clamo, Senhor, minha Rocha; não fiques indiferente para comigo. Se permaneceres calado, serei como os que descem à cova.
 2 Ouve as minhas súplicas quando clamo a ti por socorro, quando ergo as mãos para o teu Lugar Santíssimo.
 3 Não me dês o castigo reservado para os ímpios e para os malfeitores, que falam como amigos com o próximo, mas abrigam maldade no coração.
 4 Retribui-lhes conforme os seus atos, conforme as suas más obras; retribui-lhes o que as suas mãos têm feito e dá-lhes o que merecem.
 5 Visto que não consideram os feitos do Senhor, nem as obras de suas mãos, ele os arrasará e jamais os deixará reerguer-se.
 6 Bendito seja o Senhor, pois ouviu as minhas súplicas.
 7 O Senhor é a minha força e o meu escudo; nele o meu coração confia, e dele recebo ajuda. Meu coração exulta de alegria, e com o meu cântico lhe darei graças.
 8 O Senhor é a força do seu povo, a fortaleza que salva o seu ungido.
 9 Salva o teu povo e abençoa a tua herança! Cuida deles como o seu pastore conduze-os para sempre.

Capítulo 29 
 1 Atribuam ao Senhor, ó seres celestiais[45], atribuam ao Senhor glória e força. 
[45] Ou filhos de Deus; ou ainda poderosos
 2 Atribuam ao Senhor a glória que o seu nome merece; adorem o Senhor no esplendor do seu santuário[46]. 
[46] Ou da sua santidade
 3 A voz do Senhor ressoa sobre as águas; o Deus da glória troveja, o Senhor troveja sobre as muitas águas.
 4 A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa.
 5 A voz do Senhor quebra os cedros; o Senhor despedaça os cedros do Líbano.
 6 Ele faz o Líbano saltar como bezerro, o Siriom[47] como novilho selvagem. 
[47] Isto é, o monte Hermom.
 7 A voz do Senhor corta os céus com raios flamejantes.
 8 A voz do Senhor faz tremer o deserto; o Senhor faz tremer o deserto de Cades.
 9 A voz do Senhor retorce os carvalhos[48]e despe as florestas. E no seu templo todos clamam: “Glória!” 
[48] Ou faz a corça dar cria
 10 O Senhor assentou-se soberano sobre o Dilúvio; o Senhor reina soberano para sempre.
 11 O Senhor dá força ao seu povo; o Senhor dá a seu povo a bênção da paz.

Capítulo 30 
 1 Eu te exaltarei, Senhor, pois tu me reergueste e não deixaste que os meus inimigos se divertissem à minha custa.
 2 Senhor meu Deus, a ti clamei por socorro, e tu me curaste.
 3 Senhor, tiraste-me da sepultura[50]; prestes a descer à cova, devolveste-me à vida. 
[50] Hebraico: Sheol. Essa palavra também pode ser traduzida por profundezas, pó ou morte.
 4 Cantem louvores ao Senhor, vocês, os seus fiéis; louvem o seu santo nome.
 5 Pois a sua ira só dura um instante, mas o seu favor dura a vida toda; o choro pode persistir uma noite, mas de manhã irrompe a alegria.
 6 Quando me senti seguro, disse: Jamais serei abalado!
 7 Senhor, com o teu favor, deste-me firmeza e estabilidade; [51]mas, quando escondeste a tua face, fiquei aterrorizado. 
[51] Hebraico: firmaste a minha montanha.
 8 A ti, Senhor, clamei, ao Senhor pedi misericórdia:
 9 Se eu morrer[52], se eu descer à cova, que vantagem haverá? Acaso o pó te louvará? Proclamará a tua fidelidade? 
[52] Hebraico: No meu sangue.
 10 Ouve, Senhor, e tem misericórdia de mim; Senhor, sê tu o meu auxílio.
 11 Mudaste o meu pranto em dança, a minha veste de lamento em veste de alegria,
 12 para que o meu coração cante louvores a ti e não se cale. Senhor, meu Deus, eu te darei graças para sempre.

Capítulo 31 
 1 Em ti, Senhor, me refugio; nunca permitas que eu seja humilhado; livra-me pela tua justiça.
 2 Inclina os teus ouvidos para mim, vem livrar-me depressa! Sê minha rocha de refúgio, uma fortaleza poderosa para me salvar.
 3 Sim, tu és a minha rocha e a minha fortaleza; por amor do teu nome, conduze-me e guia-me.
 4 Tira-me da armadilha que me prepararam, pois tu és o meu refúgio.
 5 Nas tuas mãos entrego o meu espírito; resgata-me, Senhor, Deus da verdade.
 6 Odeio aqueles que se apegam a ídolos inúteis; eu, porém, confio no Senhor.
 7 Exultarei com grande alegria por teu amor, pois viste a minha aflição e conheceste a angústia da minha alma.
 8 Não me entregas te nas mãos dos meus inimigos; deste-me segurança e liberdade. [53] 
[53] Hebraico: puseste os meus pés num lugar espaçoso.
 9 Misericórdia, Senhor! Estou em desespero! A tristeza me consome a vista, o vigor e o apetite[54]. 
[54] Ou os olhos, a garganta e o ventre
 10 Minha vida é consumida pela angústia, e os meus anos pelo gemido; minha aflição[55] esgota as minhas forças, e os meus ossos se enfraquecem. 
[55] Ou culpa
 11 Por causa de todos os meus adversários, sou motivo de ultraje para os meus vizinhos e de medo para os meus amigos; os que me vêem na rua fogem de mim.
 12 Sou esquecido por eles como se estivesse morto; tornei-me como um pote quebrado.
 13 Ouço muitos cochicharem a meu respeito; o pavor me domina, pois conspiram contra mim, tramando tirar-me a vida.
 14 Mas eu confio em ti, Senhor, e digo: Tu és o meu Deus.
 15 O meu futuro está nas tuas mãos; livra-me dos meus inimigos e daqueles que me perseguem.
 16 Faze o teu rosto resplandecer sobre[56] o teu servo; salva-me por teu amor leal. 
[56] Isto é, mostra a tua bondade para com.
 17 Não permitas que eu seja humilhado, Senhor, pois tenho clamado a ti; mas que os ímpios sejam humilhados, e calados fiquem no Sheol[57]. 
[57] Essa palavra pode ser traduzida por sepultura, profundezas, pó ou morte.
 18 Sejam emudecidos os seus lábios mentirosos, pois com arrogância e desprezo humilham os justos.
 19 Como é grande a tua bondade, que reservaste para aqueles que te temem, e que, à vista dos homens, concedes àqueles que se refugiam em ti!
 20 No abrigo da tua presença os escondes das intrigas dos homens; na tua habitação os proteges das línguas acusadoras.
 21 Bendito seja o Senhor, pois mostrou o seu maravilhoso amor para comigo quando eu estava numa cidade cercada.
 22 Alarmado, eu disse: Fui excluído da tua presença! Contudo, ouviste as minhas súplicas quando clamei a ti por socorro.
 23 Amem o Senhor, todos vocês, os seus santos! O Senhor preserva os fiéis, mas aos arrogantes dá o que merecem.
 24 Sejam fortes e corajosos, todos vocês que esperam no Senhor!

Capítulo 32 
 1 Como é feliz aquele que tem suas transgressões perdoada se seus pecados apagados!
 2 Como é feliz aquele a quem o Senhor não atribui culpa e em quem não há hipocrisia!
 3 Enquanto eu mantinha escondidos os meus pecados, o meu corpo definhava de tanto gemer.
 4 Pois dia e noite a tua mão pesava sobre mim; minhas forças foram-se esgotando como em tempo de seca. Pausa
 5 Então reconheci diante de ti o meu pecado e não encobri as minhas culpas. Eu disse: Confessarei as minhas transgressões ao Senhor, e tu perdoaste a culpa do meu pecado. Pausa
 6 Portanto, que todos os que são fiéis orem a ti enquanto podes ser encontrado; quando as muitas águas se levantarem, elas não os atingirão.
 7 Tu és o meu abrigo; tu me preservarás das angústia se me cercarás de canções de livramento. Pausa
 8 Eu o instruirei e o ensina reino caminho que você deve seguir; eu o aconselharei e cuidarei de você.
 9 Não sejam como o cavalo ou o burro, que não têm entendimento mas precisam ser controlados com freios e rédeas, caso contrário não obedecem.
 10 Muitas são as dores dos ímpios, mas a bondade do Senhor protege quem nele confia.
 11 Alegrem-se no Senhor e exultem, vocês que são justos! Cantem de alegria, todos vocês que são retos de coração!

Capítulo 33 
 1 Cantem de alegria ao Senhor, vocês que são justos; aos que são retos fica bem louvá-lo.
 2 Louvem o Senhor com harpa; ofereçam-lhe música com lira de dez cordas.
 3 Cantem-lhe uma nova canção; toquem com habilidade ao aclamá-lo.
 4 Pois a palavra do Senhor é verdadeira; ele é fiel em tudo o que faz.
 5 Ele ama a justiça e a retidão; a terra está cheia da bondade do Senhor.
 6 Mediante a palavra do Senhor foram feitos os céus, e os corpos celestes, pelo sopro de sua boca.
 7 Ele ajunta as águas do mar num só lugar; das profundezas faz reservatórios.
 8 Toda a terra tema o Senhor; tremam diante dele todos os habitantes do mundo.
 9 Pois ele falou, e tudo se fez; ele ordenou, e tudo surgiu.
 10 O Senhor desfaz os planos das nações e frustra os propósitos dos povos.
 11 Mas os planos do Senhor permanecem para sempre, os propósitos do seu coração, por todas as gerações.
 12 Como é feliz a nação que tem o Senhor como Deus, o povo que ele escolheu para lhe pertencer!
 13 Dos céus olha o Senhor e vê toda a humanidade;
 14 do seu trono ele observa todos os habitantes da terra;
 15 ele, que forma o coração de todos, que conhece tudo o que fazem.
 16 Nenhum rei se salva pelo tamanho do seu exército; nenhum guerreiro escapa por sua grande força.
 17 O cavalo é vã esperança de vitória; apesar da sua grande força, é incapaz de salvar.
 18 Mas o Senhor protege aqueles que o temem, aqueles que firmam a esperança no seu amor,
 19 para livrá-los da morte e garantir-lhes vida, mesmo em tempos de fome.
 20 Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio e a nossa proteção.
 21 Nele se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu santo nome.
 22 Esteja sobre nós o teu amor, Senhor, como está em ti a nossa esperança.

Capítulo 34 
 1 Bendirei o Senhor o tempo todo! Os meus lábios sempre o louvarão.
 2 Minha alma se gloriará no Senhor; ouçam os oprimidos e se alegrem.
 3 Proclamem a grandeza do Senhor comigo; juntos exaltemos o seu nome.
 4 Busquei o Senhor, e ele me respondeu; livrou-me de todos os meus temores.
 5 Os que olham para ele estão radiantes de alegria; seus rostos jamais mostrarão decepção.
 6 Este pobre homem clamou, e o Senhor o ouviu; e o libertou de todas as suas tribulações.
 7 O anjo do Senhor é sentinela ao redor daqueles que o temem, e os livra.
 8 Provem, e vejam como o Senhor é bom. Como é feliz o homem que nele se refugia!
 9 Temam o Senhor, vocês que são os seus santos, pois nada falta aos que o temem.
 10 Os leões[59] podem passar necessidade e fome, mas os que buscam o Senhor de nada têm falta. 
[59] A Septuaginta e a Versão Siríaca dizem ricos.
 11 Venham, meus filhos, ouçam-me; eu lhes ensinarei o temor do Senhor.
 12 Quem de vocês quer amar a vida e deseja ver dias felizes?
 13 Guarde a sua língua do male os seus lábios da falsidade.
 14 Afaste-se do mal e faça o bem; busque a paz com perseverança.
 15 Os olhos do Senhor voltam-se para os justos e os seus ouvidos estão atentos ao seu grito de socorro;
 16 o rosto do Senhor volta-se contra os que praticam o mal, para apagar da terra a memória deles.
 17 Os justos clamam, o Senhor os ouve e os livra de todas as suas tribulações.
 18 O Senhor está perto dos que têm o coração quebrantado e salva os de espírito abatido.
 19 O justo passa por muitas adversidades, mas o Senhor o livra de todas;
 20 protege todos os seus ossos; nenhum deles será quebrado.
 21 A desgraça matará os ímpios; [60]os que odeiam o justo serão condenados. 
[60] Ou Os ímpios serão mortos nas suas próprias maldades;
 22 O Senhor redime a vida dos seus servos; ninguém que nele se refugia será condenado.

Capítulo 35 
 1 Defende-me, Senhor, dos que me acusam; luta contra os que lutam comigo.
 2 Toma os escudos, o grande e o pequeno; levanta-te e vem socorrer-me.
 3 Empunha a lança e o machado de guerra[61]contra os meus perseguidores. Dize à minha alma: “Eu sou a sua salvação”. 
[61] Ou e bloqueia o caminho
 4 Sejam humilhados e desprezados os que procuram matar-me; retrocedam envergonhados aqueles que tramam a minha ruína.
 5 Que eles sejam como a palha ao vento, quando o anjo do Senhor os expulsar;
 6 seja a vereda deles sombria e escorregadia, quando o anjo do Senhor os perseguir.
 7 Já que, sem motivo, prepararam contra mim uma armadilha oculta e, sem motivo, abriram uma cova para mim,
 8 que a ruína lhes sobrevenha de surpresa: sejam presos pela armadilha que prepararam, caiam na cova que abriram, para a sua própria ruína.
 9 Então a minha alma exultará no Senhor e se regozijará na sua salvação.
 10 Todo o meu ser exclamará: Quem se compara a ti, Senhor? Tu livras os necessitados daqueles que são mais poderosos do que eles, livras os necessitados e os pobres daqueles que os exploram.
 11 Testemunhas maldosas enfrentam-me e questionam-me sobre coisas de que nada sei.
 12 Elas me retribuem o bem com o male procuram tirar-me a vida[62].
[62] Ou e estou abandonado
 13 Contudo, quando estavam doentes, usei vestes de lamento, humilhei-me com jejum e recolhi-me em oração[63]. 
[63] Ou orei por eles sem cessar; ou ainda Ah! Se eu pudesse cancelar minhas orações
 14 Saí vagueando e pranteando, como por um amigo ou por um irmão. Eu me prostrei enlutado, como quem lamenta por sua mãe.
 15 Mas, quando tropecei, eles se reuniram alegres; sem que eu o soubesse, ajuntaram-se para me atacar. Eles me agrediram sem cessar.
 16 Como ímpios caçoando do meu refúgio, rosnaram contra mim.
 17 Senhor, até quando ficarás olhando? Livra-me dos ataques deles, livra a minha vida preciosa desses leões.
 18 Eu te darei graças na grande assembléia; no meio da grande multidão te louvarei.
 19 Não deixes que os meus inimigos traiçoeiros se divirtam à minha custa; não permitas que aqueles que sem razão me odeiam troquem olhares de desprezo.
 20 Não falam pacificamente, mas planejam acusações falsas contra os que vivem tranqüilamente na terra.
 21 Com a boca escancarada, riem de mim e me acusam: “Nós vimos! Sabemos de tudo!”
 22 Tu viste isso, Senhor! Não fiques calado. Não te afastes de mim, Senhor,
 23 Acorda! Desperta! Faze-me justiça! Defende a minha causa, meu Deus e Senhor.
 24 Senhor, meu Deus, tu és justo; faze-me justiça para que eles não se alegrem à minha custa.
 25 Não deixes que pensem: “Ah! Era isso que queríamos!”, nem que digam: “Acabamos com ele!”
 26 Sejam humilhados e frustrados todos os que se divertem à custa do meu sofrimento; cubram-se de vergonha e desonra todos os que se acham superiores a mim.
 27 Cantem de alegria e regozijo todos os que desejam ver provada a minha inocência, e sempre repitam: “O Senhor seja engrandecido! Ele tem prazer no bem-estar do seu servo”.
 28 Minha língua proclamará a tua justiça e o teu louvor o dia inteiro.

Capítulo 36
 1 Há no meu íntimo um oráculo a respeito da maldade do ímpio: Aos seus olhos é inútil temer a Deus.
 2 Ele se acha tão importante, que não percebe nem rejeita o seu pecado.
 3 As palavras da sua boca são maldosas e traiçoeiras; abandonou o bom senso e não quer fazer o bem.
 4 Até na sua cama planeja maldade; nada há de bom no caminho a que se entregou, e ele nunca rejeita o mal.
 5 O teu amor, Senhor, chega até os céus; a tua fidelidade até as nuvens.
 6 A tua justiça é firme como as altas montanhas; as tuas decisões insondáveis como o grande mar. Tu, Senhor, preservas tanto os homens quanto os animais.
 7 Como é precioso o teu amor, ó Deus! Os homens encontram refúgio à sombra das tuas asas.
 8 Eles se banqueteiam na fartura da tua casa; tu lhes dás de beber do teu rio de delícias.
 9 Pois em ti está a fonte da vida; graças à tua luz, vemos a luz.
 10 Estende o teu amor aos que te conhecem, a tua justiça aos que são retos de coração.
 11 Não permitas que o arrogante me pisoteie, nem que a mão do ímpio me faça recuar.
 12 Lá estão os malfeitores caídos, lançados ao chão, incapazes de levantar-se!

Capítulo 37 
 1 Não se aborreça por causa dos homens maus e não tenha inveja dos perversos;
 2 pois como o capim logo secarão, como a relva verde logo murcharão.
 3 Confie no Senhor e faça o bem; assim você habitará na terra e desfrutará segurança.
 4 Deleite-se no Senhor, e ele atenderá aos desejos do seu coração.
 5 Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nele, e ele agirá:
 6 ele deixará claro como a alvorada que você é justo, e como o sol do meio-dia que você é inocente.
 7 Descanse no Senhor e aguarde por ele com paciência; não se aborreça com o sucesso dos outros, nem com aqueles que maquinam o mal.
 8 Evite a ira e rejeite a fúria; não se irrite: isso só leva ao mal.
 9 Pois os maus serão eliminados, mas os que esperam no Senhor receberão a terra por herança.
 10 Um pouco de tempo, e os ímpios não mais existirão; por mais que você os procure, não serão encontrados.
 11 Mas os humildes receberão a terra por herança e desfrutarão pleno bem-estar.
 12 Os ímpios tramam contra os justos e rosnam contra eles;
 13 o Senhor, porém, ri dos ímpios, pois sabe que o dia deles está chegando.
 14 Os ímpios desembainham a espada e preparam o arco para abaterem o necessitado e o pobre, para matarem os que andam na retidão.
 15 Mas as suas espadas irão atravessar-lhes o coração, e os seus arcos serão quebrados.
 16 Melhor é o pouco do justo do que a riqueza de muitos ímpios;
 17 pois o braço forte dos ímpios será quebrado, mas o Senhor sustém os justos.
 18 O Senhor cuida da vida dos íntegros, e a herança deles permanecerá para sempre.
 19 Em tempos de adversidade não ficarão decepcionados; em dias de fome desfrutarão fartura.
 20 Mas os ímpios perecerão; os inimigos do Senhor murcharão como a beleza dos campos; desvanecerão como fumaça.
 21 Os ímpios tomam emprestado e não devolvem, mas os justos dão com generosidade;
 22 aqueles que o Senhor abençoa receberão a terra por herança, mas os que ele amaldiçoa serão eliminados.
 23 O Senhor firma os passos de um homem, quando a conduta deste o agrada;
 24 ainda que tropece, não cairá, pois o Senhor o toma pela mão.
 25 Já fui jovem e agora sou velho, mas nunca vi o justo desamparado, nem seus filhos mendigando o pão.
 26 Ele é sempre generoso e empresta com boa vontade; seus filhos serão abençoados.
 27 Desvie-se do mal e faça o bem; e você terá sempre onde morar.
 28 Pois o Senhor ama quem pratica a justiça, e não abandonará os seus fiéis. Para sempre serão protegidos, mas a descendência dos ímpios será eliminada;
 29 os justos herdarão a terra e nela habitarão para sempre.
 30 A boca do justo profere sabedoria, e a sua língua fala conforme a justiça.
 31 Ele traz no coração a lei do seu Deus; nunca pisará em falso.
 32 O ímpio fica à espreita do justo, querendo matá-lo;
 33 mas o Senhor não o deixará cairem suas mãos, nem permitirá que o condenem quando julgado.
 34 Espere no Senhor e siga a sua vontade. Ele o exaltará, dando-lhe a terra por herança; quando os ímpios forem eliminados, você o verá.
 35 Vi um homem ímpio e cruel florescendo como frondosa árvore nativa,
 36 mas logo desapareceu e não mais existia; embora eu o procurasse, não pôde ser encontrado.
 37 Considere o íntegro, observe o justo; há futuro[65] para o homem de paz. 
[65] Ou haverá posteridade; também no versículo 38.
 38 Mas todos os rebeldes serão destruídos; futuro para os ímpios nunca haverá.
 39 Do Senhor vem a salvação dos justos; ele é a sua fortaleza na hora da adversidade.
 40 O Senhor os ajuda e os livra; ele os livra dos ímpios e os salva, porque nele se refugiam.

Capítulo 38 
 1 Senhor, não me repreendas no teu furor nem me disciplines na tua ira.
 2 Pois as tuas flechas me atravessaram, e a tua mão me atingiu.
 3 Por causa de tua ira, todo o meu corpo está doente; não há saúde nos meus ossos por causa do meu pecado.
 4 As minhas culpas me afogam; são como um fardo pesado e insuportável.
 5 Minhas feridas cheiram mal e supuram por causa da minha insensatez.
 6 Estou encurvado e muitíssimo abatido; o dia todo saio vagueando e pranteando.
 7 Estou ardendo em febre; todo o meu corpo está doente.
 8 Sinto-me muito fraco e totalmente esmagado; meu coração geme de angústia.
 9 Senhor, diante de ti estão todos os meus anseios; o meu suspiro não te é oculto.
 10 Meu coração palpita, as forças me faltam; até a luz dos meus olhos se foi.
 11 Meus amigos e companheiros me evitam por causa da doença que me aflige; ficam longe de mim os meus vizinhos.
 12 Os que desejam matar me preparam armadilhas, os que me querem prejudicar anunciam a minha ruína; passam o dia planejando traição.
 13 Como um surdo, não ouço, como um mudo, não abro a boca.
 14 Fiz-me como quem não ouve, e em cuja boca não há resposta.
 15 Senhor, em ti espero; tu me responderás, ó Senhor meu Deus!
 16 Pois eu disse: Não permitas que eles se divirtam à minha custa, nem triunfem sobre mim quando eu tropeçar.
 17 Estou a ponto de cair, e a minha dor está sempre comigo.
 18 Confesso a minha culpa; em angústia estou por causa do meu pecado.
 19 Meus inimigos, porém, são muitos e poderosos; é grande o número dos que me odeiam sem motivo.
20 Os que me retribuem o bem com o mal caluniam-me porque é o bem que procuro.
 21 Senhor, não me abandones! Não fiques longe de mim, ó meu Deus!
 22 Apressa-te a ajudar-me, Senhor, meu Salvador!

Capítulo 39 
 1 Eu disse: Vigiarei a minha conduta e não pecarei em palavras; porei mordaça em minha boca enquanto os ímpios estiverem na minha presença.
 2 Enquanto me calei resignado, e me contive inutilmente, minha angústia aumentou.
 3 Meu coração ardia-me no peito e, enquanto eu meditava, o fogo aumentava; então comecei a dizer:
 4 Mostra-me, Senhor, o fim da minha vida e o número dos meus dias, para que eu saiba quão frágil sou.
 5 Deste aos meus dias o comprimento de um palmo; a duração da minha vida é nada diante de ti. De fato, o homem não passa de um sopro. Pausa
 6 Sim, cada um vai e volta como a sombra. Em vão se agita, amontoando riqueza sem saber quem ficará com ela.
 7 Mas agora, Senhor, que hei de esperar? Minha esperança está em ti.
 8 Livra-me de todas as minhas transgressões; não faças de mim um objeto de zombaria dos tolos.
 9 Estou calado! Não posso abrir a boca, pois tu mesmo fizeste isso.
 10 Afasta de mim o teu açoite; fui vencido pelo golpe da tua mão.
 11 Tu repreendes e disciplinas o homem por causa do seu pecado; como traça destróis o que ele mais valoriza; de fato, o homem não passa de um sopro. Pausa
 12 Ouve a minha oração, Senhor; escuta o meu grito de socorro; não sejas indiferente ao meu lamento. Pois sou para ti um estrangeiro, como foram todos os meus antepassados.
 13 Desvia de mim os teus olhos, para que eu volte a ter alegria, antes que eu me vá e deixe de existir.

Capítulo 40 
 1 Coloquei toda minha esperança no Senhor; ele se inclinou para mime ouviu o meu grito de socorro.
 2 Ele me tirou de um poço de destruição, de um atoleiro de lama; pôs os meus pés sobre uma rocha e firmou-me num local seguro.
 3 Pôs um novo cântico na minha boca, um hino de louvor ao nosso Deus. Muitos verão isso e temerão, e confiarão no Senhor.
 4 Como é feliz o homem que põe no Senhor a sua confiança, e não vai atrás dos orgulhosos[66], dos que se afastam para seguir deuses falsos[67]! 
[66] Ou idólatras 
[67] Ou para a falsidade
 5 Senhor meu Deus! Quantas maravilhas tens feito! Não se pode relatar os planos que preparaste para nós! Eu queria proclamá-los e anunciá-los, mas são por demais numerosos!
 6 Sacrifício e oferta não pediste, mas abriste os meus ouvidos[68]; holocaustos[69] e ofertas pelo pecado não exigiste. 
[68] Ou furaste as minhas orelhas. A Septuaginta diz mas tens preparado um corpo para mim. 
[69] Isto é, sacrifícios totalmente queimados.
 7 Então eu disse: Aqui estou! No livro está escrito a meu respeito.
 8 Tenho grande alegria em fazer a tua vontade, ó meu Deus; a tua lei está no fundo do meu coração.
 9 Eu proclamo as novas de justiça na grande assembléia; como sabes, Senhor, não fecho os meus lábios.
 10 Não oculto no coração a tua justiça; falo da tua fidelidade e da tua salvação. Não escondo da grande assembléia a tua fidelidade e a tua verdade.
 11 Não me negues a tua misericórdia, Senhor; que o teu amor e a tua verdade sempre me protejam.
 12 Pois incontáveis problemas me cercam, as minhas culpas me alcançara me já não consigo ver. Mais numerosos são que os cabelos da minha cabeça, e o meu coração perdeu o ânimo.
 13 Agrada-te, Senhor, em libertar-me; apressa-te, Senhor, a ajudar-me.
 14 Sejam humilhados e frustrados todos os que procuram tirar-me a vida; retrocedam desprezados os que desejam a minha ruína.
 15 Fiquem chocados com a sua própria desgraça os que zombam de mim.
 16 Mas regozijem-se e alegrem-se em ti todos os que te buscam; digam sempre aqueles que amam a tua salvação: “Grande é o Senhor!”
 17 Quanto a mim, sou pobre e necessitado, mas o Senhor preocupa-se comigo. Tu és o meu socorro e o meu libertador; meu Deus, não te demores!

Capítulo 41 
 1 Como é feliz aquele que se interessa pelo pobre! O Senhor o livra em tempos de adversidade.
 2 O Senhor o protegerá e preservará a sua vida; ele o fará feliz na terra e não o entregará ao desejo dos seus inimigos.
 3 O Senhor o susterá em seu leito de enfermidade, e da doença o restaurará.
 4 Eu disse: Misericórdia, Senhor, cura-me, pois pequei contra ti.
 5 Os meus inimigos dizem maldosamente a meu respeito: “Quando ele vai morrer? Quando vai desaparecer o seu nome?”
 6 Sempre que alguém vem visitar-me, fala com falsidade, enche o coração de calúnias e depois as espalha por onde vai.
 7 Todos os que me odeiam juntam-se e cochicham contra mim, imaginando que o pior me acontecerá:
 8 “Uma praga terrível o derrubou; está de cama, e jamais se levantará”.
 9 Até o meu melhor amigo, em quem eu confiava e que partilhava do meu pão, voltou-se[70] contra mim. 
[70] Hebraico: levantou o calcanhar.
 10 Mas, tu, Senhor, tem misericórdia de mim; levanta-me, para que eu lhes retribua.
 11 Sei que me queres bem, pois o meu inimigo não triunfa sobre mim.
 12 Por causa da minha integridade me susténs e me pões na tua presença para sempre.
 13 Louvado seja o Senhor, o Deus de Israel, de eternidade a eternidade! Amém e amém! SEGUNDO LIVRO

Capítulo 42 
 1 Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por ti, ó Deus.
 2 A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus?
 3 Minhas lágrimas têm sido o meu alimento de dia e de noite, pois me perguntam o tempo todo: “Onde está o seu Deus?”
 4 Quando me lembro destas coisas choro angustiado. Pois eu costumava ir com a multidão, conduzindo a procissão à casa de Deus, com cantos de alegria e de ação de graças entre a multidão que festejava.
 5 Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e
[72] Conforme alguns manuscritos do Texto Massorético, a Septuaginta e a Versão Siríaca. A maioria dos manuscritos do Texto Massorético diz louvarei por teu auxílio salvador. 6Ó meu Deus.
 6 o meu Deus[72]. A minha alma está profundamente triste; por isso de ti me lembro desde a terra do Jordão, das alturas do Hermom, desde o monte Mizar.
 7 Abismo chama abismo ao rugir das tuas cachoeiras; todas as tuas ondas e vagalhões se abateram sobre mim.
 8 Conceda-me o Senhor o seu fiel amor de dia; de noite esteja comigo a sua canção. É a minha oração ao Deus que me dá vida.
 9 Direi a Deus, minha Rocha: Por que te esqueceste de mim? Por que devo sair vagueando e pranteando, oprimido pelo inimigo?
 10 Até os meus ossos sofrem agonia mortal quando os meus adversários zombam de mim, perguntando-me o tempo todo: “Onde está o seu Deus?”
 11 Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus.

Capítulo 43 
 1 Faze-me justiça, ó Deus, e defende a minha causa contra um povo infiel; livra-me dos homens traidores e perversos.
 2 Pois tu, ó Deus, és a minha fortaleza. Por que me rejeitaste? Por que devo sair vagueando e pranteando, oprimido pelo inimigo?
 3 Envia a tua luz e a tua verdade; elas me guiarão e me levarão ao teu santo monte, ao lugar onde habitas.
 4 Então irei ao altar de Deus, a Deus, a fonte da minha plena alegria. Com a harpa te louvarei, ó Deus, meu Deus!
 5 Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus.

Capítulo 44 
 1 Com os nossos próprios ouvidos ouvimos, ó Deus; os nossos antepassados nos contaram os feitos que realizaste no tempo deles, nos dias da antigüidade.
 2 Com a tua própria mão expulsaste as nações para estabelecer os nossos antepassados; arruinaste povos e fizeste prosperar os nossos antepassados.
 3 Não foi pela espada que conquistaram a terra, nem pela força do seu braço que alcançaram a vitória; foi pela tua mão direita, pelo teu braço, e pela luz do teu rosto[73], por causa do teu amor para com eles. 
[73] Isto é, pela tua bondade.
 4 És tu, meu Rei e meu Deus! [74]És tu que decretas vitórias para Jacó! 
[74] Conforme a Septuaginta e a Versão Siríaca. O Texto Massorético diz meu Rei, ó Deus!
 5 Contigo pomos em fuga os nossos adversários; pelo teu nome pisoteamos os que nos atacam.
 6 Não confio em meu arco, minha espada não me concede a vitória;
 7 mas tu nos concedes a vitória sobre os nossos adversários e humilhas os que nos odeiam.
 8 Em Deus nos gloriamos o tempo todo, e louvaremos o teu nome para sempre. Pausa
 9 Mas agora nos rejeitaste e nos humilhaste; já não sais com os nossos exércitos.
 10 Diante dos nossos adversários fizeste-nos bater em retirada, e os que nos odeiam nos saquearam.
 11 Tu nos entregaste para sermos devorados como ovelhas e nos dispersaste entre as nações.
 12 Vendeste o teu povo por uma ninharia, nada lucrando com a sua venda.
 13 Tu nos fizeste motivo de vergonha dos nossos vizinhos, objeto de zombaria e menosprezo dos que nos rodeiam.
 14 Fizeste de nós um provérbio entre as nações; os povos meneiam a cabeça quando nos vêem.
 15 Sofro humilhação o tempo todo, e o meu rosto está coberto de vergonha
 16 por causa da zombaria dos que me censuram e me provocam, por causa do inimigo, que busca vingança.
 17 Tudo isso aconteceu conosco, sem que nos tivéssemos esquecido de ti, nem tivéssemos traído a tua aliança.
 18 Nossos corações não voltaram atrás, nem os nossos pés se desviaram da tua vereda.
 19 Todavia, tu nos esmagaste e fizeste de nós um covil de chacais, e de densas trevas nos cobriste.
 20 Se tivéssemos esquecido o nome do nosso Deus e tivéssemos estendido as nossas mãos a um deus estrangeiro,
 21 Deus não o teria descoberto? Pois ele conhece os segredos do coração!
 22 Contudo, por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro.
 23 Desperta, Senhor! Por que dormes? Levanta-te! Não nos rejeites para sempre.
 24 Por que escondes o teu rosto e esqueces o nosso sofrimento e a nossa aflição?
 25 Fomos humilhados até o pó; nossos corpos se apegam ao chão.
 26 Levanta-te! Socorre-nos! Resgata-nos por causa da tua fidelidade.

Capítulo 45 
 1 Com o coração vibrando de boas palavras recito os meus versos em honra ao rei; seja a minha língua como a pena de um hábil escritor.
 2 És dos homens o mais notável; derramou-se graça em teus lábios, visto que Deus te abençoou para sempre.
 3 Prende a espada à cintura, ó poderoso! Cobre-te de esplendor e majestade.
 4 Na tua majestade cavalga vitoriosamente pela verdade, pela misericórdia e pela justiça; que a tua mão direita realize feitos gloriosos.
 5 Tuas flechas afiadas atingem o coração dos inimigos do rei; debaixo dos teus pés caem nações.
 6 O teu trono, ó Deus, subsiste para todo o sempre; cetro de justiça é o cetro do teu reino.
 7 Amas a justiça e odeias a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus, escolheu-te dentre os teus companheiros ungindo-te com óleo de alegria.
 8 Todas as tuas vestes exalam aroma de mirra, aloés e cássia; nos palácios adornados de marfim ressoamos instrumentos de corda que te alegram.
 9 Filhas de reis estão entre as mulheres da tua corte; à tua direita está a noiva real enfeitada de ouro puro de Ofir.
 10 Ouça, ó filha, considere e incline os seus ouvidos: Esqueça o seu povo e a casa paterna.
 11 O rei foi cativado pela sua beleza; honre-o, pois ele é o seu senhor.
 12 A cidade[75] de Tiro trará[76] seus presentes; seus moradores mais ricos buscarão o seu favor. 
[75] Hebraico: filha. 
[76] Ou Um manto feito em Tiro está entre
 13 Cheia de esplendor está a princesa em seus aposentos, com vestes enfeitadas de ouro.
 14 Em roupas bordadas é conduzida ao rei, acompanhada de um cortejo de virgens; são levadas à tua presença.
 15 Com alegria e exultação são conduzidas ao palácio do rei.
 16 Os teus filhos ocuparão o trono dos teus pais; por toda a terra os farás príncipes.
 17 Perpetuarei a tua lembrança por todas as gerações; por isso as nações te louvarão para todo o sempre.

Capítulo 46 
 1 Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade.
 2 Por isso não temeremos, ainda que a terra trema e os montes afundem no coração do mar,
 3 ainda que estrondem as suas águas turbulentas e os montes sejam sacudidos pela sua fúria. Pausa
 4 Há um rio cujos canais alegram a cidade de Deus, o Santo Lugar onde habita o Altíssimo.
 5 Deus nela está! Não será abalada! Deus vem em seu auxílio desde o romper da manhã.
 6 Nações se agitam, reinos se abalam; ele ergue a voz, e a terra se derrete.
 7 O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é a nossa torre segura. Pausa
 8 Venham! Vejam as obras do Senhor, seus feitos estarrecedores na terra.
 9 Ele dá fim às guerras até os confins da terra; quebra o arco e despedaça a lança; destrói os escudos[77] com fogo. 
[77] Ou carros
 10 “Parem de lutar! Saibam que eu sou Deus! Serei exaltado entre as nações, serei exaltado na terra.”
 11 O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é a nossa torre segura. Pausa

Capítulo 47 
 1 Batam palmas, vocês, todos os povos; aclamem a Deus com cantos de alegria.
 2 Pois o Senhor Altíssimo é temível, é o grande Rei sobre toda a terra!
 3 Ele subjugou as nações ao nosso poder, os povos colocou debaixo de nossos pés,
 4 e escolheu para nós a nossa herança, o orgulho de Jacó, a quem amou. Pausa
 5 Deus subiu em meio a gritos de alegria; o Senhor, em meio ao som de trombetas.
 6 Ofereçam música a Deus, cantem louvores! Ofereçam música ao nosso Rei, cantem louvores!
 7 Pois Deus é o rei de toda a terra; cantem louvores com harmonia e arte.
 8 Deus reina sobre as nações; Deus está assentado em seu santo trono.
 9 Os soberanos das nações se juntam ao povo do Deus de Abraão, pois os governantes[78] da terra pertencem a Deus; ele é soberanamente exaltado. 
[78] Hebraico: escudos.

Capítulo 48 
 1 Grande é o Senhor, e digno de todo louvor na cidade do nosso Deus.
 2 Seu santo monte, belo e majestoso, é a alegria de toda a terra. Como as alturas do Zafom[79] é o monte Sião, a cidade do grande Rei. 
[79] Zafom refere-se ou a um monte sagrado ou à direção norte.
 3 Nas suas cidadelas Deus se revela como sua proteção.
 4 Vejam! Os reis somaram forças, e juntos avançaram contra ela.
 5 Quando a viram, ficaram atônitos, fugiram aterrorizados.
 6 Ali mesmo o pavor os dominou; contorceram-se como a mulher no parto.
 7 Foste como o vento oriental quando destruiu os navios de Társis.
 8 Como já temos ouvido, agora também temos visto na cidade do Senhor dos Exércitos, na cidade de nosso Deus: Deus a preserva firme para sempre. Pausa
 9 No teu templo, ó Deus, meditamos em teu amor leal.
 10 Como o teu nome, ó Deus, o teu louvor alcança os confins da terra; a tua mão direita está cheia de justiça.
 11 O monte Sião se alegra, as cidades[80] de Judá exultam por causa das tuas decisões justas. 
[80] Hebraico: filhas.
 12 Percorram Sião, contornando-a, contem as suas torres,
 13 observem bem as suas muralhas, examinem as suas cidadelas, para que vocês falem à próxima geração
 14 que este Deus é o nosso Deus para todo o sempre; ele será o nosso guia até o fim[81]. 
[81] Ou até à morte

Capítulo 49 
 1 Ouçam isto vocês, todos os povos; escutem, todos os que vivem neste mundo,
 2 gente do povo, homens importantes, ricos e pobres igualmente:
 3 A minha boca falará com sabedoria; a meditação do meu coração trará entendimento.
 4 Inclinarei os meus ouvidos a um provérbio; com a harpa exporei o meu enigma:
 5 Por que deverei temer, quando vierem dias maus, quando inimigos traiçoeiros me cercarem,
 6 aqueles que confiam em seus bens e se gabam de suas muitas riquezas?
 7 Homem algum pode redimir seu irmão ou pagar a Deus o preço de sua vida,
 8 pois o resgate de uma vida não tem preço. Não há pagamento que o livre
 9 para que viva para sempre e não sofra decomposição.
 10 Pois todos podem ver que os sábios morrem, como perecem o tolo e o insensato e para outros deixam os seus bens.
 11 Seus túmulos serão suas moradas para sempre, [82]suas habitações de geração em geração, ainda que tenham[83] dado seus nomes a terras. 
[82] Conforme a Septuaginta e a Versão Siríaca. O Texto Massorético diz Em seus pensamentos suas casas serão perpétuas. 
[83] Ou pois eles têm
 12 O homem, mesmo que muito importante, não vive para sempre[84]; é como os animais, que perecem. 
[84] Conforme o Texto Massorético. A Septuaginta e a Versão Siríaca dizem não tem entendimento. Veja o versículo 20.
 13 Este é o destino dos que confiam em si mesmos, e dos seus seguidores, que aprovam o que eles dizem. Pausa
 14 Como ovelhas, estão destinados à sepultura[85], e a morte lhes servirá de pastor. Pela manhã os justos triunfarão sobre eles! A aparência deles se desfará na sepultura, longe das suas gloriosas mansões. 
[85] Hebraico: Sheol. Essa palavra também pode ser traduzida por profundezas, pó ou morte; também no final deste versículo e no versículo 15.
 15 Mas Deus redimirá a minha vida da sepultura e me levará para si. Pausa
 16 Não se aborreça quando alguém se enriquece e aumenta o luxo de sua casa;
 17 pois nada levará consigo quando morrer; não descerá com ele o seu esplendor.
 18 Embora em vida ele se parabenize: “Todos o elogiam, pois você está prosperando”,
 19 ele se juntará aos seus antepassados, que nunca mais verão a luz.
 20 O homem, mesmo que muito importante, não tem entendimento; é como os animais, que perecem.

Capítulo 50 
 1 Fala o Senhor, o Deus supremo; convoca toda a terra, do nascente ao poente.
 2 Desde Sião, perfeita em beleza, Deus resplandece.
 3 Nosso Deus vem! Certamente não ficará calado! À sua frente vai um fogo devorador, e, ao seu redor, uma violenta tempestade.
 4 Ele convoca os altos céus e a terra, para o julgamento do seu povo:
 5 “Ajuntem os que me são fiéis, que, mediante sacrifício, fizeram aliança comigo”.
 6 E os céus proclamam a sua justiça, pois o próprio Deus é o juiz. Pausa
 7 Ouça, meu povo, pois eu falarei; vou testemunhar contra você, Israel, eu, que sou Deus, o seu Deus.
 8 Não o acuso pelos seus sacrifícios, nem pelos holocaustos[86], que você sempre me oferece. 
[86] Isto é, sacrifícios totalmente queimados; também em 51.16.
 9 Não tenho necessidade de nenhum novilho dos seus estábulos, nem dos bodes dos seus currais,
 10 pois todos os animais da floresta são meus, como são as cabeças de gado aos milhares nas colinas.
 11 Conheço todas as aves dos montes, e cuido das criaturas do campo.
 12 Se eu tivesse fome, precisaria dizer a você? Pois o mundo é meu, e tudo o que nele existe.
 13 Acaso como carne de touro sou bebo sangue de bodes?
 14 Ofereça a Deus em sacrifício a sua gratidão, cumpra os seus votos para com o Altíssimo,
 15 e clame a mim no dia da angústia; eu o livrarei, e você me honrará.
 16 Mas ao ímpio Deus diz: Que direito você tem de recitar as minhas leis ou de ficar repetindo a minha aliança?
 17 Pois você odeia a minha disciplina e dá as costas às minhas palavras!
 18 Você vê um ladrão, e já se torna seu cúmplice, e com adúlteros se mistura.
 19 Sua boca está cheia de maldade e a sua língua formula a fraude.
 20 Deliberadamente você fala contra o seu irmão e calunia o filho de sua própria mãe.
 21 Ficaria eu calado diante de tudo o que você tem feito? Você pensa que eu sou como você? Mas agora eu o acusarei diretamente, sem omitir coisa alguma.
22 Considerem isto, vocês que se esquecem de Deus; caso contrário os despedaçarei, sem que ninguém os livre.
 23 Quem me oferece sua gratidão como sacrifício, honra-me, e eu mostrarei a salvação de Deus ao que anda nos meus caminhos.

Capítulo 51 
 1 Tem misericórdia de mim, ó Deus, por teu amor; por tua grande compaixão apaga as minhas transgressões.
 2 Lava-me de toda a minha culpa e purifica-me do meu pecado.
 3 Pois eu mesmo reconheço as minhas transgressões, e o meu pecado sempre me persegue.
 4 Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me.
 5 Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe.
 6 Sei que desejas a verdade no íntimo; e no coração me ensinas a sabedoria.
 7 Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e mais branco do que a neve serei.
 8 Faze-me ouvir de novo júbilo e alegria, e os ossos que esmagaste exultarão.
 9 Esconde o rosto dos meus pecados e apaga todas as minhas iniqüidades.
 10 Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito estável.
 11 Não me expulses da tua presença, nem tires de mim o teu Santo Espírito.
 12 Devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto a obedecer.
 13 Então ensinarei os teus caminhos aos transgressores, para que os pecadores se voltem para ti.
 14 Livra-me da culpa dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação! E a minha língua aclamará a tua justiça.
 15 Ó Senhor, dá palavras aos meus lábios, e a minha boca anunciará o teu louvor.
 16 Não te deleitas em sacrifícios nem te agradas em holocaustos, senão eu os traria.
 17 Os sacrifícios que agradam a Deus são um espírito quebrantado; um coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás.
 18 Por tua boa vontade faze Sião prosperar; ergue os muros de Jerusalém.
 19 Então te agradarás dos sacrifícios sinceros, das ofertas queimadas e dos holocaustos; e novilhos serão oferecidos sobre o teu altar.

Capítulo 52 
 1 Por que você se vangloria do male de ultrajar a Deus continuamente? [87], ó homem poderoso! 
[87] Ou se a fidelidade de Deus dura para sempre?
 2 Sua língua trama destruição; é como navalha afiada, cheia de engano.
 3 Você prefere o mal ao bem, a falsidade, em lugar da verdade. Pausa
 4 Você ama toda palavra maldosa, ó língua mentirosa!
 5 Saiba que Deus o arruinará para sempre: ele o agarrará e o arrancará da sua tenda; ele o desarraigará da terra dos vivos. Pausa
 6 Os justos verão isso e temerão; rirão dele, dizendo:
 7 “Veja só o homem que rejeitou a Deus como refúgio; confiou em sua grande riqueza e buscou refúgio em sua maldade!”
 8 Mas eu sou como uma oliveira que floresce na casa de Deus; confio no amor de Deus para todo o sempre.
 9 Para sempre te louvarei pelo que fizeste; na presença dos teus fiéis proclamarei o teu nome, porque tu és bom.

Continue Lendo - Salmos 53-102 / 103-150


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Literatura de Cordel - Romance do Pavão Misterioso

Poemas curtos de fernando pessoa