O Desprendimento - José Oiticica

O Desprendimento

Não escrevas, se és Gênio, por vaidade,
Faze tudo o que deves por dever.
Somente a alma de apóstolo persuade
E obriga as almas débeis a poder.

Que o teu verbo, se és deus, ensine e brade
Sacudindo os que morrem sem viver.
Só assim hás de ter sinceridade
Para pensar e amor para escrever

Não te lembres da glória, combatendo!
Ela virá quando tiver de vir,
No teu dia mais fúnebre e tremendo...

Ela cresce, entreoculta, em teu porvir!
Sê digno de esperá-la, assim, sofrendo,
Sem desejos sequer de a conseguir.

José Oiticica



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário