Augusto de Lima - A descida

A descida
Homem remove este rochedo e a rara
galeria interior contempla e estuda;
desce, e da terra pela ossada muda
leva tua razão de ciência avara.

Na treva expira a luz há pouco clara,
o ar em sulfúreo gaz já se transmuda
coragem! desce, e os séculos saúda,
desce mais, desce mais... agora pára.

Mas não! lá fulge um fogo subterrâneo:
- e mergulhas no cérebro do globo,
- e lhe penetras de outro lado o crânio.

Desce! não! sobre agora; um brilho intenso
banha-te o corpo, e num heróico arroubo
eis-te boiando no oceano imenso.

Augusto de Lima 



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário