Soneto do Efêmero - Waldemar Lopes

Soneto do Efêmero

Sangaram os mulungos no ermo encantado
frágeis flores de brasa. O canto insone
— pobre pássaro rouco no ar crispado —
voa da concha azul do grafafone.

Sobre a face das almas desce o cone
de sombras, antes que, no ilimitado
reino interdito, a vida se abandone
à lógica do tempo. E ladao a lado

o homem e as coisas: a arca subjetiva
— onde se funde o dúplice lamento,
— onde tudo ao mudável se reduz

e os ontens e amanhãs, matéria viva
dos seres, desintegram-s no vento
como as almas, o canto, os mulungos.

Waldemar Lopes

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário