Poemas de Lobo da Costa - O Rei e o Operário

O Rei e o Operário
— O que vales, junto à forja,
Cingindo o sujo avental?
— E a ti que te vale a gorja
Do teu diadema real?

— Eu mando tropas e armadas,
Sustenho povos na mão...

— Pois eu tempero as espadas,
Que fazem a revolução!

— E eu tenho um cetro que ao vê-lo
Curvam-se as raças fiéis...

— Pois eu possuo o martelo
Que prega a forca dos reis!

— És um divino espantalho. . .

— E tu, que vales, vilão?!
— Eu forjo o anel do trabalho,
Tu forjas a escravidão*

— Eu tenho o sangue que deve
Recordar-me os faraós...

— E eu o do peão que em Greve
Decapitou teus avós.
—— Tu és das trevas o leito. . .

— Mentes, eu laboro a luz!

— Eu prego a luz do direito. . .

—E eu prego as leis de Jesus!

—— Tu és a noite, eu o dia,
Deslumbram-te os vivos sóis.. .
Tu fundes a tirania,
Eu fundo os pulsos aos heróis!

 Lobo da Costa

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário