Olhos - Paul Celan

Olhos 

Olhos: 

brilhantes da chuva que caiu
quando Deus me mandou beber.

Olhos:
ouro, que a noite me contou nas mãos,
quando colhi urtigas
e fiz arrepender as sombras dos Provérbios.

Olhos:
noite, que sobre mim resplandeceu, quando escancarei o portão
e atravessado pelo gelo invernoso das minhas fontes
saltei pelos lugares da eternidade.

Paul Celan
Tradução de João Barrento e Y. K. Centeno

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário