Luís Vaz de Camões - Alma gentil, que à firme Eternidade

Alma gentil, que à firme Eternidade

Alma gentil, que à firme Eternidade
subiste clara e valerosamente,
cá durará de ti perpetuamente
a fama, a glória, o nome e a saudade.

Não sei se é mor espanto em tal idade
deixar de teu valor inveja à gente,
se um peito de diamante ou de serpente
fazeres que se mova a piedade.

Invejosas da tua acho mil sortes,
e a minha mais que todas invejosa,
pois ao teu mal o meu tanto igualaste.

Oh! ditoso morrer! sorte ditosa!
Pois o que não se alcança com mil sortes,
tu com ũa só morte o alcançaste!


Luís Vaz de Camões



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário