Ironia Sentimental - Augusto Meyer

Ironia Sentimental

Coaxar dos sapos, quando a noite é calma,
sem jardins simbolistas, nem repuxos cantantes,
nem rosas místicas na sombra, nem dor em verso...

Coaxar dos sapos, longamente,
quando o céu palpita na moldura da janela,
num mistério doce, num mistério infinito,
e em cada estrela há um lábio, um lábio puro que treme,

e um segredo na luz que palpita, palpita...


Augusto Meyer


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário