Flores - Genildo Mota Nunes

Flores 

 Não quero que a vida
 Me pegue na estrada
 Qual folha caída,
 Perdida no vento.
 Nem quero que o tempo
 A correr lá fora
 Nas asas da tarde
 Me faça partir.
 Há um desejo estranho
 De sonho e de luzes
 Nos olhos da face
 De quem quer viver.
 E a flor despetala
 Nas mãos de quem perde
 Por força dos fatos
 A vez de sorrir.
 Por isso é que tento
 Compondo meus versos
 Ouvir nos espaços
 As vozes do ser...
 Vagar pelas tardes
 E pelos canteiros
 No pólen das almas
 Que podem sentir.

Genildo Mota Nunes


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário