Manuel de Oliveira Paiva - A língua dos olhos

A língua dos olhos

Queria dizer que te amo,
Queria dizer: te adoro,
Acho o teu olhar canoro
Como os sons de um gaturamá.

— Mas, ligeiro qual um gamo,
Foge-me o verbo sonoro:
Em vão os versos decoro
A memória em vão reclamo:

O loquaz entusiasmo
Esfria de uma lapada
E faz-se um brutal marasmo.

É que a linguagem falada
Tem honras de pleonasmo
Ante os fulgores da olhada.


Manuel de Oliveira Paiva

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário