Quinze anos - Paulo Setúbal

Quinze anos

Vestido claro, sombrinha,
Fitas de cor no chapéu,
Ei-la que vai, pequenininha,
Como uma nuvem do céu.

O colo é branco, de neve.
Os dentes brancos e sãos.
A cinturinha tão breve
Que a gente abarca entre as mãos.

Não sei que cor, que palheta,
Possa, ao de leve, compor
A espiritual silhueta
Desses quinze anos em flor.

Doce, gentil, tentadora,
Fragílimo bibelot,
Lembra uma fina pastora
Das pastorais de Watteau.

Alma em botão, menina e moça,
Lindo primor de biscuit,
É a bonequinha de louça
Mais singular que eu já vi.

Tem ela, como dois tesouros,
Estes caprichos tafuis:
Só gosta de moços louros,
Só ama os olhos azuis.

Lá vai... E some á distância
O encanto do seu perfil.
Mas vai com tanta elegância,
É tão jovial, tão gentil,

Tão pluma, tão borboleta,
Que a gente, sem o supor,
Fica a sonhar na silhueta
Desses quinze anos em flor...

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário