Alberto de Oliveira - O ídolo


Sobre um trono de mármore sombrio,
Em templo escuro, há muito abandonado,
Em seu grande silêncio, austero e frio
Um ídolo de gesso está sentado.

E como à estranha mão, a paz silente
Quebrando em torno às funerárias urnas,
Ressoa um órgão compassadamente
Pelas amplas abóbadas soturnas.

Cai fora a noite — mar que se retrata
Em outro mar — dois pélagos azuis;
Num as ondas — alcíones de prata,
No outro os astros — alcíones de luz.

E de seu negro mármore no trono
O ídolo de gesso está sentado.
Assim um coração repousa em sono...
Assim meu coração vive fechado.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário